Bruta Moda

Por Yuretta Sant’Anna

Dessa garganta
tudo se canta.
E se a sentença
ao meu canto marginal
for o silêncio,
seguirei cantando muda
neste mundo
em que tudo muda,
toda muda brota
e a arte, mesmo imunda,
toca.
Se perguntarem o porquê
da minha arte,
direi que não sou parte,
nem estou à parte.
Sou a arte que dou!

E deixo que pensem,
que digam e que falem.
O velho samba me ensinou
que nem toda opinião vale a pena
de servir um sistema
morto, estéril, sem eira nem beira.
Parafraseando o poeta Dall’orto
se der bobeira
que me julguem em Marte!
Porque aqui na Terra
as suas leis
não julgam nossa arte!

Publicado originalmente na página Vale dos Alfarrábios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *