22 de maio de 2024

Por Fidel Forato, editado por Luciana Zaramela
Publicado pelo portal Canaltech, em 21/03/2024

(Imagem: Freepik)

Na Holanda, cientistas da Universidade de Amsterdã trabalham em uma pesquisa que pode representar, no futuro, a cura para o HIV. Através da ferramenta de edição genética CRISPR, a equipe conseguiu eliminar o vírus da Aids de um conjunto de células em laboratório. A técnica ainda não foi testada em animais e nem em humanos.

Os pesquisadores holandeses encaram o experimento como uma prova de conceito, já que muitas etapas do procedimento inovador contra o HIV precisam ser aperfeiçoadas. No entanto, é um caminho bastante promissor em direção à cura desta infecção que afeta mais de 39 milhões de pessoas ao redor do mundo.

Hoje, as pessoas que convivem com HIV controlam a infecção com o uso de remédios antivirais, de uso contínuo. É possível impedir a multiplicação do vírus no organismo e restaurar o sistema imunológico com esses medicamentos, mas o agente infeccioso permanece escondido dentro das células — isto ocorre majoritariamente em algumas células do sistema imune e pode ocorrer até no cérebro

Se o tratamento é interrompido, é comum a infecção voltar. A técnica CRISPR pode remover o patógeno, algo que nenhum remédio disponível atualmente nas farmácias consegue fazer.

Uso da edição genética CRISPR

Através da tesoura genética CRISPR (as responsáveis pela invenção já receberam o Prêmio Nobel de Química, em 2020), é possível identificar e alterar pontos específicos do código genético, o DNA, de organismos vivos. Basicamente, a ferramenta de edição genética elimina genes indesejados ou introduz um novo material genético.

Aparentemente, isso parece pouco funcional para pacientes com HIV, já que não se trata de um quadro de origem genética. O ponto é que o vírus da Aids consegue integrar o seu genoma no DNA de algumas células do hospedeiro, o que torna a sua eliminação tão complexa. É o que explica a volta da infecção, após anos de tratamento.

Segundo os autores, eles desenvolveram uma estratégia capaz de eliminar o HIV de diferentes células e de locais em que ele possa estar escondido, os reservatórios. Além disso, “demonstramos que a terapêutica pode ser administrada especificamente às células de interesse”, acrescentam os pesquisadores. 

Por isso, os cientistas holandeses apostam que “essas descobertas representam um avanço fundamental no sentido de projetar uma estratégia de cura”.

Cura do HIV?

Até o momento, os únicos pacientes a serem curados da infecção pelo vírus HIV realizaram um transplante de medula óssea durante o tratamento de um câncer, como ocorreu com o paciente Berlim. A técnica tem inúmeros riscos e só pode ser usada em condições muito específicas, por isso, não há planos de expandir esse “tratamento” para outros grupos de pacientes.

No caso do novo estudo, envolvendo a ferramenta de edição genética CRISPR, os pesquisadores demonstraram apenas que a “cura” é viável em laboratório, quando a terapia é aplicada em um conjunto de células. O que foi demonstrado é o primeiro passo no caminho de uma possível e real cura, mas antes será necessário realizar inúmeros testes em animais. 

Se o procedimento for seguro e eficaz nos modelos animais, os primeiros humanos poderão testar a técnica — um dia, ela pode ser um ponto de virada no combate ao vírus da Aids, mas ainda é cedo para afirmar isso.

A pesquisa sobre uma possível cura do HIV será apresentada durante o 34º Congresso Europeu de Microbiologia Clínica e Doenças Infecciosas (Eccmid 2024), entre os dias 27 e 30 de abril, na Espanha. De forma preliminar, os autores do estudo publicaram um preprint — artigo científico sem revisão feita por pares — na plataforma Research Square.

Fonte: Research Square e Eccmid 2024 

Clipping LGBT+ no Instagram
Clipping LGBT+ no Threads
Clipping LGBT+ no Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *