Péssimo mau gosto

Gregorio Duvivier*

Publicado na Folha de S.Paulo, em 13 de janeiro de 2014

Caro Cardeal arcebispo,

Vossa Eminência disse em vosso Twitter que o especial de Natal do Porta dos Fundos era de “péssimo mau gosto”. Poderia dizer que V. Emª cometeu um pleonasmo, pois na palavra “péssimo” já está incluída a palavra “mau”, mas vou supor que V. Emª tenha “redundado” propositalmente, para fins estilísticos. Entristece-me, pois gostaria que o nosso especial de Natal tivesse agradado a todos (embora o homenageado em questão não tenha agradado).

O que me consola é que não somos os primeiros a termos o gosto julgado mau ou péssimo ou ambos pela vossa Igreja. Na realidade, arrisco-me a dizer que estamos em boa (e vasta) companhia. Entre os numerosos condenados, está um astrônomo de nome tão redundante quanto a vossa expressão.

Como V. Emª deve saber, não foi a teoria heliocêntrica que causou a condenação de Galileu Galilei. Copérnico já havia dito que a Terra girava em torno do Sol e a Igreja não se importou. O que provocou a ira papal foi o humor.

Para defender o heliocentrismo, Galileu criou um diálogo fictício entre um personagem sábio, Salviati, e um personagem imbecil, Simplício. O sábio acreditava que a Terra girava ao redor do Sol e o imbecil achava o contrário. O livro foi um sucesso retumbante. E a Igreja vestiu a carapuça do imbecil. Galileu foi obrigado a negar tudo o que havia dito para escapar da fogueira. Negou e ainda assim foi condenado à prisão perpétua.

Giordano Bruno, contemporâneo de Galileu, acreditava que o universo era infinito. Negou-se a se negar. Foi queimado vivo.

Somente em 1983, quase quatro séculos depois, o Vaticano absolveu Galileu, provando ter um sistema judiciário ainda mais lento que o brasileiro. Apesar da retratação tardia, o gosto episcopal continua controverso.

Acho um péssimo mau gosto, por exemplo, V. Emª ser contrária ao sacerdócio de mulheres, ao uso de métodos contraceptivos, ao aborto de fetos anencéfalos, ao aborto em casos de estupro, ao amor entre pessoas do mesmo sexo, à eutanásia e às pesquisas com célula-tronco.

Contudo, confesso que, apesar de nossas divergências, não pude deixar de ficar feliz em saber que o Porta dos Fundos está sendo assistido na arquidiocese. Peço que V. Emª , futuramente, não pule aqueles anúncios que antecedem o vídeo, para que nós ganhemos um cascalhinho. Obrigado pela atenção e, como diria Jesus, desculpe qualquer coisa.

gregorioduvivier* Gregorio Duvivier é ator e escritor. Também é um dos criadores do portal de humor Porta dos Fundos.

O texto acima é uma resposta à crítica feita pelo Arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, ao Especial de Natal do Porta dos Fundos.

Share

You may also like...

5 Responses

  1. Rogério disse:

    BOA, Gregório ! A igreja católica está na era medieval ainda em MUUUITAS questões… é um celeiro de idéias retrógradas.. ACORDA, igreja !

  2. Nilson Rocha disse:

    Sem humor não há amor. Velho, acredito em Cristo e boto fé de que ele adoraria vocês. Obrigado por fazerem da internet esse virtuosismo feliz. Bjos.

  3. Sandro disse:

    Tipo foi uma ótima resposta. tirando o fato de fugir do assunto. oq tem haver Galileu, celibato como especial de natal, lembramos que ao falar de Jesus não agimos contra a igreja católica mais a uma crença em geral que abrange varias denominações religiosas… Não somente a igreja católica se pronunciou mais vários outro seguimentos também. grandes e imortais humoristas nunca precisaram usar a fé. para arrancar gargalhadas. o humor do porta dos fundos é muito massa. mais usar a fé já perde a graça e o respeito. errado ao falamos nisto sitar somente a igreja católica. evangélico e não gostei isso não é um desrespeito a religião mais a fé… mais fazer oque…. cada um com sua opinião.

  4. Denis Lazzari Skiadaressis disse:

    Parabéns Gregorio, continuem assim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.