25 de junho de 2024

Justin Gamble
Publicado pelo portal CNN, em 01/05/2024

(Imagem: Raphael Renter na Unsplash)

A Igreja Metodista Unida revogou a proibição de 40 anos ao clero gay no dia 1º de maio, marcando uma mudança histórica na posição da igreja sobre a homossexualidade. A igreja há muito tempo estava dividida em facções sobre a inclusão LGBTQIA+ e até considerou a possibilidade de se dividir em duas igrejas separadas sobre a questão, como relatado anteriormente pela CNN.

Em 1984, a igreja proibiu “homossexuais praticantes autodeclarados” de se tornarem membros do clero e posteriormente acrescentou a realização ou celebração de uniões do mesmo sexo a “uma lista de ofensas passíveis de acusação que poderiam resultar em um julgamento eclesiástico”, de acordo com uma linha do tempo da história da igreja com a comunidade LGBTQIA+.

A comunidade metodista passou as décadas seguintes debatendo, lutando e orando sobre sua posição sobre o clero gay e os membros LGBTQIA+. Mas a votação de quarta-feira pelo principal órgão legislativo da igreja sinalizou uma mudança histórica em direção à aceitação e inclusão.

Em uma votação de 692-51, líderes da igreja aprovaram várias regras sem debate, incluindo a revogação tanto da proibição do clérigos gays quanto das penalidades por realizar casamentos entre pessoas do mesmo sexo, de acordo com o serviço de notícias United Methodist News.

Após a votação, Hope Morgan Ward, uma bispa aposentada na Igreja Metodista Unida, orou para que a igreja fosse usada como “pacificadores e servos” e “acolhedora de todas as pessoas no abraço de Deus.”

De acordo com o serviço de notícias metodista, os membros aplaudiram, choraram e se abraçaram após a votação. “Estamos fazendo isso desde os anos 70 e, finalmente, em apenas alguns minutos, sem debate, acabou. E agora podemos continuar com os assuntos da igreja”, disse Marilyn Murphy, observadora da conferência da igreja na Carolina do Sul ao serviço de notícias.

Os defensores LGBTQIA+ dentro da igreja saudaram a decisão. Matt Patrick, co-pastor da Igreja Metodista Unida da Universidade em Tulsa, Oklahoma, disse à CNN que ficou emocionado depois que a igreja anunciou a decisão. “Eu me emocionei esta manhã com o anúncio da votação, porque foi um alívio enorme ver que a justiça tinha sido feita depois de tantos anos”, disse ele. “Houve muita dor para chegarmos a este ponto.”

Embora a proibição do clérigos gays tenha sido removida dos estatutos da igreja, Patrick disse que o trabalho continuará para garantir que a igreja metodista seja um lugar inclusivo para todos. “Para onde vamos a partir daqui, só Deus sabe”, disse ele.

Mais mudanças são esperadas à medida que a conferência legislativa continua em Charlotte, Carolina do Norte.

Clipping LGBT+ no Instagram
Clipping LGBT+ no Threads
Clipping LGBT+ no Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *