16 de abril de 2024

Publicado pela Agência de Notícias da Aids, em 21/09/2023

A pobreza pode reverter décadas de avanço no combate à aids no Brasil, já que atualmente ela afeta muito mais os indivíduos pobres, pretos e com baixa escolaridade e, especialmente, os analfabetos. Isso é o que mostra um estudo recém-publicado no periódico científico The Lancet que revela o impacto dos determinantes sociais em toda a cadeia da doença.

O trabalho foi desenvolvido pelo grupo Determinantes Sociais do HIV/Aids (DSAIDS), com pesquisadores do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC-UFBA), Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs/Fiocruz Bahia), Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e universidades internacionais.

Para chegar a essa conclusão, os autores avaliaram dados de 28,3 milhões de brasileiros ao longo de nove anos, cruzando registros do Cadastro Único, que abrange mais de cem milhões de brasileiros e mapeia famílias de baixa renda, com informações dos sistemas de vigilância em saúde do Sistema Único de Saúde (SUS). O objetivo principal era analisar os efeitos das condições de vulnerabilidade socioeconômica, como renda, raça/cor da pele e escolaridade, sobre o risco de desenvolver aids e de morrer pela doença. Os dados incluem a população brasileira de baixa renda, muitas vezes sub-representada em pesquisas.

“Os indivíduos mais vulneráveis socialmente têm maior risco de adoecer e morrer por aids, com destaque para os riscos de evoluir a óbito. Os analfabetos apresentam risco de morrer por Aids quase três vezes maior do que aqueles com nível superior. Já os pretos têm risco quase duas vezes maior de morte do que os brancos. Aqueles com menor renda têm risco de morrer duas vezes maior do que os considerados de maior renda”, diz a pesquisadora Iracema Lua, uma das líderes do trabalho.

“A doença hoje se disseminou na população de baixa renda. Apesar de o HIV atualmente ser controlável, essa população fica mais doente e morre mais”, diz o infectologista David Lewi, do Hospital Israelita Albert Einstein.

Segundo os autores, o resultado chama a atenção porque o Brasil tem um programa universal e gratuito que sempre foi considerado referência mundial, com testes rápidos e medicamentos disponíveis nas unidades de saúde. No entanto, uma série de fatores explica o cenário atual, da falta de informações a dificuldades de acesso.

“Há diversas barreiras sociais, econômicas, culturais e geográficas que levam a um maior risco de infecção e dificultam a detecção e o tratamento precoce da doença. Por exemplo, as ações de educação em saúde sobre as medidas de prevenção e a importância dos testes não chegam de forma efetiva para os grupos mais vulneráveis, que acabam tendo um diagnóstico tardio, além das dificuldades de acesso e de continuidade do cuidado, incluindo menores possibilidades de adesão ao tratamento, que também envolvem questões socioeconômicas”, diz a pesquisadora.

Prevenção e medicamentos

Isso também se reflete na Profilaxia Pré-Exposição, conhecida como PrEP, que consiste em medicamentos comprovadamente eficazes na prevenção da infecção pelo vírus em indivíduos que apresentam comportamento sexual de risco. A PrEP é indicada para pessoas em situação de vulnerabilidade e pode ser utilizada diariamente ou sob demanda.

“Apesar de os remédios estarem disponíveis na rede pública, observamos que quem mais procura são pessoas de alta renda”, diz o infectologista Lewi. Atualmente, há 68.283 usuários em PrEP no Brasil e 72% possuem no mínimo 12 anos de escolaridade e mais da metade são brancos, segundo dados do Ministério da Saúde.

“É preciso investimentos para reduzir as desigualdades sociais e políticas públicas para expandir o acesso à saúde aos mais vulneráveis. Sem isso, corremos o risco de que o aumento na pobreza possa reverter décadas de progresso na luta contra o HIV/aids no Brasil”, alerta a pesquisadora.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, estima-se que mais de 39 milhões de pessoas vivam com o HIV (o vírus que pode causar a aids) em todo o mundo. No ano passado, 1,3 milhão de pessoas foram infectadas pelo HIV.

No Brasil, entre 2007 e junho de 2022, foram notificados 434.803 casos de infecção pelo HIV. No entanto, nos últimos anos, houve uma queda de 11,1% nesses números. Em relação à aids, o país registrou um total de 1.088.536 casos entre 1980 e 2022, com uma média de 36,4 mil novos casos da doença a cada ano. É importante notar que a mortalidade também diminuiu ao longo dos anos, passando de 5,6 para 4,2 óbitos por 100 mil habitantes entre 2011 e 2021, conforme aponta o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde.

Fonte: Agência Einstein

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *