19 de maio de 2024

Publicado pelo portal Agência de Notícias da Aids, em 05/08/2023

O Ministério da Saúde lançou, nesta semana, o curso “Manejo das pessoas que vivem com HIV/aids com contagem de células LT-CD4 abaixo de 200 mm³ – Piloto de implementação do Circuito Rápido para enfrentamento da aids”. O objetivo é qualificar a assistência a estas pessoas, priorizando a redução de tempo entre o diagnóstico e o tratamento e das possíveis infecções oportunistas, bem como o início rápido da terapia antirretroviral. Interessados podem se inscrever diretamente na plataforma do curso, a AvaSUS.

O curso é uma iniciativa do Departamento de HIV/Aids, Tuberculose, Hepatites Virais e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Segundo a pasta, a ocorrência da aids pode ser observada em pessoas no início do tratamento (diagnóstico tardio), naquelas em interrupção do tratamento ou em pessoas em falha virológica e com sinais de gravidade.

Um dos critérios para definição de doença avançada em adultos é a contagem de linfócitos T-CD4 menor que 200 células/mm3. Nesta situação, as pessoas vivendo com HIV/aids avançada apresentam maior risco de morbidade e mortalidade relacionadas à aids. A identificação e o pronto manejo da doença avançada, assim como o início rápido do tratamento antirretroviral, são essenciais para reduzir a morbimortalidade, além de melhorar muito a qualidade de vida das pessoas.

Com o total de quatro módulos e uma carga de 40 horas, a qualificação é oferecida sob a forma de educação à distância, autoinstrucional, com material didático nos formatos de texto, vídeo, áudio, infográficos e outros.

O principal público para realizar o curso é de profissionais de saúde que queiram atualizar suas competências no rastreamento, diagnóstico, prevenção e tratamento de IO com apoio dos novos testes rápidos LF-CrAg, LF-LAM e Au Histo, elementos-chave no Circuito Rápido para o cuidado às pessoas com aids.

Números

Em 2022, segundo os Indicadores e Dados Básicos de Monitoramento Clínico de HIV do DATHI, 13.160 pessoas vivendo com HIV apresentaram diagnóstico tardio e doença avançada (primeiro CD4 realizado com resultado abaixo de 200 céls/mm³), sendo a maioria homens (9.651) e em pessoas entre 30 e 49 anos (7.106). Em 2021 foram registrados 12.113 casos. A contagem é feita desde 2009.

Redação da Agência Aids com informações do Ministério da Saúde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *