21 de abril de 2024

Por Caio Luiz
Publicado pelo portal Congresso em Foco, em 20/09/2023

Erika Hilton (primeira deputada federal trans, ao lado de Duda Salabert) na audiência
que resultou no adiamento da votação do projeto na Comissão de Previdência, Assistência Social,
Infância, Adolescência e Família. (Foto: Lula Marques/Agência Brasil)

Deputadas da bancada LGBTQIA+ da Câmara definiram a tentativa de avanço do PL que pode impedir o casamento gay como retrocesso e afronta a um direito reconhecido pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Em entrevista ao Congresso em Foco, Daiana dos Santos (PCdoB-RS) e Erika Hilton (Psol-SP) afirmaram que uma ala “fundamentalista e conservadora quer atacar uma decisão do Supremo e retirar a dignidade e cidadania da comunidade LGBTQIA+”.

Após quase cinco de horas de tumulto, provocações, brigas acaloradas e palavras de ordem de manifestantes, a Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família da Câmara chegou nessa terça-feira (19) a um acordo sobre o futuro do Projeto de Lei 580/2007. Por unanimidade, oposição e governo decidiram que, na próxima terça-feira (26), será realizada uma audiência pública com dez convidados favoráveis e dez contrários ao PL que pede o fim do reconhecimento do casamento gay, determinada pelo STF há 12 anos.

A audiência pública foi votada e aprovada em requerimento apresentado pelo deputado Pastor Henrique Vieira (Psol-RJ) ainda no dia 5. No entanto, a base do governo fez pressão com a presença de movimentos sociais e disse que não faria qualquer obstrução para impedir o avanço do PL para a Comissão de Direitos Humanos se a audiência fosse inserida antes da votação.

A oposição relutou em aceitar o acordo, alegando que o governo procura obstruir ao máximo a pauta. Já o governo argumenta que a comissão perdeu o rumo, uma vez que se debruça sobre tema analisado há mais de uma década em vez de avaliar propostas atuais dentro da comissão que poderiam contribuir com o país.

“Um retrocesso absurdo. Uma tentativa de aniquilar, anular e negar o direito ao casamento às pessoas homoafetivas. É uma ação extremamente inconstitucional porque o Supremo já reconheceu, à luz da Constituição, a necessidade da comunidade LGBTQIA+ constituir família e ter direito à união civil, mas fundamentalistas e conservadores aqui, da Câmara dos Deputados, querem se unir para atacar e ir contra uma decisão importante do STF e retroceder a dignidade, a cidadania e o direitos da comunidade LGBTQIA+”, disse a deputada Erika Hilton.

Houve mobilização da sociedade civil durante a sessão da Comissão da Família. Em vários momentos, o presidente da comissão, deputado Fernando Rodolfo (PL-PE), disse que chamaria a Polícia Legislativa para retirar membros da comunidade LGBTQIA+. Os manifestantes questionaram e vaiaram citações bíblicas ou comentários sobre a composição de como deve ser a família brasileira feitos pela bancada da bíblia.

De acordo com a deputada Daiana dos Santos, o momento é importante para falar sobre a garantia de direitos, já que o PL demonstra um retrocesso de uma grande luta do movimento LGBTQIA+, responsável por um grande esforço a fim de garantir a legitimidade das relações conjugais. Daiana ainda acrescentou que o movimento em si pauta itens como o Estado laico e toda uma estrutura de sociedade que está empenhada ativamente na construção do progresso no país.

“Esse retrocesso retalia justamente aquilo que a gente tem aprofundado ao longo dos anos: o ganho de consciência por parte da população. O povo, pedindo por direitos, tem se mostrado cada vez mais presente na política e isso fica muito evidente nesta Casa. Iremos até a última instância e faremos um debate de qualidade para que a sociedade entenda que aqui estamos falando de direitos garantidos e que não estamos em disputa com o setor religioso ou com outro núcleo que não seja pela garantia de direitos já constituídos, da vida e da expressão da comunidade.”

A ativista política e primeira suplente de deputada federal no DF Ruth Venceremos (PT-DF) classificou a terça-feira como um marco importante para a comunidade LGBTQIA+ na discussão sobre o casamento civil igualitário. “É sobre direito. Não é mais nem menos o que queremos, apenas direitos. Estamos como sociedade civil organizada para tentar barrar esse retrocesso.”

Ruth questiona o motivo de os impostos das pessoas LGBTQIA+ serem arrecadados ao passo que o direito à união civil de dois cidadãos do mesmo sexo está em xeque no Congresso. “Essa conquista se deu de modo judiciário. Agora, observe se a Câmara tem alguma lei de proteção social da comunidade LGBTQIA+. Ao contrário disso, querem retirar conquistas nossas.”

A ativista afirma que o projeto não irá prosperar nas comissões de Direitos Humanos e Constituição, Cidadania e Justiça. Ruth qualifica o PL como tentativa de criar um pânico moral na sociedade com as mesmas discussões antigas de sempre para serem bem avaliados com o eleitorado.

CAIO LUIZ Repórter. Jornalista, produtor de conteúdo e roteirista. Formado em 2010 na Universidade Metodista, com estudos posteriores em Ciências Sociais e narrativas audiovisuais no ABC Paulista. Passou por redações na TVT, ABCD Maior, DCI, IdeaFixa, Destak e Doc Films/CNN Brasil.

caioluiz@congressoemfoco.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *