Protesto contra Cunha transfere local de debate na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul

Manifestantes gritavam palavras de ordem contra presidente da Câmara

Publicado pelo Correio do Povo, em 30 de março de 2015, com informações de Bruna Cabrera e Flávia Bemfica

Protesto contra Cunha transfere local de debate na AL (Foto: Tarsila Pereira)

Protesto contra Cunha transfere local de debate na AL
(Foto: Tarsila Pereira)

Os intensos protestos contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que tomaram conta do teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa (AL) gaúcha na manhã desta segunda-feira, obrigaram a transferência do debate sobre reforma política que trouxe a Porto Alegre, além de Cunha, o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB). O evento, previsto para começar às 9h, foi suspenso temporariamente antes de ter o acesso do público restrito e o local alterado para o Plenário da Casa.

O presidente da AL, Edson Brum (PMDB), tentou negociar com os manifestantes, mas os gritos eram tão fortes que não se ouvia a voz do parlamentar. Durante a aproximação de Brum, os manifestantes anunciaram que o deputado não conseguiria falar.

Ainda nas apresentações, movimentos sociais como a Liga Brasileira de Lésbicas, Nuances, Juntos!, Movimento Mudanças e Levante Popular da Juventude começaram as manifestações contra o presidente da Câmara. Os manifestantes gritavam “Fora Cunha”, “A nossa luta é todo dia contra o machismo” e carregavam cartazes defendendo a democracia. Eles chamaram o presidente da Câmara dos Deputados de racista, corrupto e homofóbico. Cunha é um dos 34 parlamentares que integra a lista de políticos que respondem a inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) referente à Operação Lava Jato.

Algumas feministas tiraram a camiseta, subiram nas cadeiras e gritaram a favor da legalização do aborto, projeto que já foi protocolado pelo deputado federal Jean Wyllys (PSol-RJ). Os grupos, que no início ainda estavam espalhados pela plateia, se aglomeraram na área central da arquibancada e não deixaram o presidente da Casa falar. Com muito esforço, o deputado cumprimentou a mesa e, em seguida, foi obrigada a suspender o evento.

Brum tentou convencer os manifestantes a se acalmarem e ameaçou tirá-los à força do local, mas isso não se concretizou. Por conta das manifestações, o evento sofreu atraso de 30 minutos. Ao ver que o evento havia sido transferido, os grupos se retiraram do local e se aglomeraram em frente ao prédio.

•••

O CLIPPING LGBT TAMBÉM ESTÁ NO FACEBOOK. CLIQUE AQUI, CONFIRA E CURTA NOSSA PÁGINA.

Share

You may also like...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *