Nós, as Mães pela Diversidade repudiamos o Estatuto da Família!

Maju Giorgi
Publicado pela coluna Mães pela Diversidade, em 29 de setembro de 2015

http://acapa.virgula.uol.com.br/site/images/noticia/827292.jpg

(Reprodução / Facebook)

Nós as Mães pela Diversidade, não poderíamos silenciar frente ao Estatuto da Família que nos atinge de forma certeira e extremamente dolorosa ! Nós somos mães de pessoas LGBTs e orgulhosas de nossos filhos ! A hierarquização do ser humano precisa ter um fim, é preciso que haja um basta ! Somos famílias SIM ! Nossas famílias são amorosas, bem constituidas e pautadas pela inclusão ! Nossos filhos apesar de serem considerados cidadãos de segunda categoria neste país, não deixam de cumprir seus deveres civis e neste caso, não são discriminados quando pagam seus impostos como qualquer outro ! Partimos do fato inquestionável de sermos cidadãos de um país que se diz laico, democrático, civilizado e parte do mundo ocidental ! O estado é de todos aqueles que contribuem para o erário publico e o país é de todos aqueles que o habitam ! Não queremos nenhum tipo de privilégio para nossos filhos, mas exigimos sim que se os deveres tem que ser iguais os direitos também sejam ! A equiparação da LGBTfobia ao racismo não constitui e jamais constituirá um privilégio ! Apenas queremos que nossos filhos estejam abrigados na MESMA lei que já abriga tantas minorias e populações alvo de discriminação inclusive a religiosa ! Para nós qualquer coisa diferente disso coloca em duvida a laicidade do Estado brasileiro e sua democracia e joga luz na hierarquização do ser humano que temos visto a larga e diariamente e que tem se naturalizado depois que o estado brasileiro foi rendido por forças religiosas detentoras de poder político econômico provindo da exploração da fé ! Queremos que nossos filhos tenham o direito de se casar, porque junto com o casamento eles terão garantidos todos os direitos contidos neste ato civil, que são mais de oitenta e que vão desde o direito a herança e adoção até o simples compartilhar de um plano de saúde e de ter regrada a guarda de filhos ! As Mães pela Diversidade vêem através desta carta pública e aberta, convocar a todos aqueles que amam uma pessoa LGBT que venham somar sua voz a nossa contra toda essa opressão que nossos filhos estão sofrendo ! Queremos lembrar que jamais um heterosexual cisgênero foi morto ou levou uma lampada nos olhos neste país pelo simples fato de ser um heterosexual cisgênero ! Que nenhum branco deste país foi convidado a utilizar o elevador de serviço ou deixou de arrumar um emprego por ser branco! Que nenhuma igreja evangélica deste país foi invadida e teve seus símbolos sagrados destruídos ou suas crianças apedrejadas por serem cristãos evangélicos! Que o preconceito e a discriminação existem, não são lenda urbana, muito pelo contrário, são vivos e latentes. Pessoas LGBT são expulsas de suas casas crianças ainda e jogadas no gueto onde vão ser criadas por cafetinas. Se evadem da escola por não suportarem a discriminação. Não conseguem entrar no mercado de trabalho por sua condição sexual e sua identidade de gênero. As pessoas LGBT são jogadas pela sociedade na marginalidade quando a sociedade fecha todas as portas e caminhos que levariam a uma vida de inclusão e honestidade e por absoluta falta de opção essas pessoas caem na criminalidade, no tráfico, na prostituição e depois são cobradas e julgadas pelos mesmos que as jogaram lá ! A média de vida de um cidadão brasileiro é de quase 80 anos enquanto a de travestis e transexuais é de 34 anos e somos nós, a sociedade brasileira que estamos usurpando o direito a VIDA dessas pessoas ! Os discursos levianos que saem de púlpitos e palanques neste país matam e as pessoas que os proferem tem as mãos sujas de sangue ! O Brasil é o campeão mundial de assassinatos por LGBTfobia ! Nenhum outro país no mundo mata tantos LGBTs por simples ódio ! Nós mães, pais, famílias e amigos tememos pela integridade física e moral de nossos filhos e este é um sofrimento que nos está sendo impingido pelo estado brasileiro ! Quem nos devolverá a vida de Alexandre Ivo, Lucas Fortuna e Laura Vermont ? Quem devolverá a vida do menino de 8 anos morto por espancamento pelo pai no Rio de Janeiro por ser “viado” ? Quem devolvera a liberdade e a tranquilidade de andar nas ruas a André Baliera espancado em plena luz do dia por ser um LGBT ? Ao meu filho, sequestrado, ameaçado de estupro e de morte por horas por ser um LGBT ??? A menina lésbica apedrejada na rua por ser uma LGBT ? Quem vai devolver o rim de Renata Peron perdido num espancamento por ser uma LGBT ? Quem curará esses traumas ? Quem cuidará dessas pessoas abandonadas a própria sorte por esse Estado ajoelhado, sequestrado e manipulado que deveria defende-las já que elas cumprem todos os seus deveres civis ? Quem garantirá a educação dessas pessoas ? A saúde dessas pessoas ? O trabalho a essas pessoas ? A segurança a essas pessoas ? Quem defenderá esses SERES HUMANOS vilipendiados de cima dos púlpitos e palanques deste país ??? A ONU ? A OEA ? O STF ? Talvez a própria sociedade quando ciente da injustiça e da opressão que esta sendo sistematicamente praticada por aqueles que são pagos para nos defender ? Por tudo isso, nós as Mães pela Diversidade estamos aqui para pedir que todos aqueles que AMAM, que admiram um LGBT ou que simplesmente não suportam a injustiça se juntem a nós ! SOMOS FAMÍLIAS SIM ! Nenhum LGBT ou família de LGBT vai voltar pro armário, ninguém vai abaixar a cabeça, ninguém vai se esconder ou se limitar ao espaço de um gueto ! EXISTIMOS e lutaremos pelo direito de nossos filhos de estudar, de andar pelas ruas, de trabalhar, de estar, de amar, de viver e de SER ! O Estatuto da Família é o ovo da serpente ! Conclamamos a todas as famílias que tem e amam um LGBT que venham conosco defende-los e lutar por um Brasil verdadeiramente laico e democrático, justo e humano !

TIRE SEU PRECONCEITO DO CAMINHO, QUEREMOS PASSAR COM NOSSO AMOR !

Mães pela Diversidade

•••

CLIQUE AQUI E CONHEÇA A PÁGINA DO CLIPPING LGBT NO FACEBOOK.

Share

You may also like...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *