Em sessão tumultuada, Assis do Couto é confirmado presidente da CDHM

Contrariando acordo entre bancadas, o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) apresentou candidatura avulsa e perdeu com a diferença de dois votos

Publicado na Revista Fórum, em 26 de fevereiro de 2014

assiscouto2

Assis do Couto derrotou Bolsonaro
com apenas dois votos de diferença
(Arquivo pessoal)

Aconteceu na tarde desta quarta-feira (26) a eleição que definiu a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM). Como Fórum já havia adiantado, existia um acordo feito entre as bancadas do PT, PMDB e PTB em prol do nome de Assis do Couto (PT-PR) para assumir a presidência. Porém, o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) apresentou candidatura avulsa e perdeu com a diferença de apenas dois votos.

Antes da votação ser iniciada, o deputado Nilmário Miranda (PT-MG), que foi eleito vice-presidente da Comissão, fez leitura de artigos do regimento interno da Câmara que não autoriza candidaturas avulsas à presidência das Comissões, visto que, segundo Miranda, trata-se de um protocolo histórico da Casa não quebrar os acordos entre as bancadas. A divisão das comissões é feita conforme o tamanho de cada representação partidária na Câmara.

Apoiadores de Jair Bolsonaro foram ao microfone dizer que o PT estava sendo antidemocrático ao não permitir a candidatura do parlamentar. Num momento mais tenso, Bolsonaro foi acusado de ser racista e que só isso deveria impedi-lo de ser candidato. Aos gritos, o parlamentar negou que fosse racista e que “apenas não apoia cotas para negros”.

Mesmo com o acordo entre as bancadas, a votação foi apertada. Assis do Couto teve 10 votos e Jair Bolsonaro, 8. Em seu discurso de posse, Couto disse que vai trabalhar para que todos os segmentos da sociedade sejam respeitados e ouvidos e que não vai permitir discursos discriminatórios em seu mandato. O novo presidente da CDHM também ressaltou a importância da vice-presidência assumida por Nilmário Miranda e lembrou seu papel como fundador da comissão e ministro dos Direitos Humanos no governo Lula.

Share

You may also like...

1 Response

  1. Daniel Silva disse:

    Respondendo sua pergunta feita na rede social: este é o preço da governabilidade. Nossas vidas e cidadania. Isto ocorre em outras comissões, mas este caso felizmente não se tornou invisível no cotidiano do parlamento

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *