LGBTs europeus convivem com o medo, mostra estudo

Pesquisa com 140 mil pessoas revela que maior parte da comunidade LGBT+ na Europa percebe aumento da intolerância, e muitos preferem esconder sua sexualidade em público. Situação é pior no Leste Europeu.

Publicado pelo portal Deutsche Welle*, em maio de 2020.

Uma em cada dez pessoas disse que foi atacada fisicamente ou sexualmente nos últimos cinco anos

A ampla maioria dos casais LGBT+ na Europa evita andar de mãos dadas em público, e um em cada cinco LGBT+ se sente discriminado no local de trabalho, segundo um estudo da Agência Europeia de Direitos Fundamentais (FRA) divulgado nesta quinta-feira (14/05). De cada dez pessoas ouvidas na União Europeia e no Reino Unido, uma disse que foi atacada fisicamente ou sexualmente nos últimos cinco anos. A pesquisa, chamada Um longo caminho até a igualdade para as pessoas LGBTI, ouviu cerca de 140 mil pessoas com 15 anos ou mais nos 27 países da União Europeia, no Reino Unido (que ainda era membro quando a pesquisa foi feita), na Sérvia e na Macedônia do Norte (que querem entrar no bloco). É a segunda pesquisa desse tipo feita pela FRA. A primeira foi realizada em 2012, mas ouviu menos pessoas e apenas maiores de idade.

“Um número muito grande de pessoas LGBT+ continua a viver na sombra, com medo de ser ridicularizada, discriminada ou mesmo agredida”, diz o diretor da FRA, Michael O’Flaherty. “Apesar de alguns países terem avançado na igualdade para os LGBT+, nossa pesquisa mostra que, no geral, houve pouco progresso real, deixando muitas pessoas LGBT+ vulneráveis. Governantes deveriam estar cientes disso e promover de forma ativa o respeito total pelos direitos das pessoas LGBT+’. Um dos responsáveis pelo estudo, Milton Pavlou afirmou que “o resultado mais alarmante é o que mostra o assédio, o medo, a falta de segurança”. Ele disse que 38% dos consultados disse ter sido vítima de assédio no último ano por ser LGBTQ+. “Isso é inaceitável. As pessoas não merecem viver assim”, afirmou.

Na União Europeia e no Reino Unido, apenas 36% dos consultados disseram perceber uma melhora na tolerância nos últimos cinco anos, e 40% disseram perceber uma piora. Cerca de um quarto não viu mudança nenhuma. Menos de um quarto dos alemães disse que a situação melhorou no país, e 45% disseram que piorou. A Polônia, majoritariamente católica e governada pelo partido conservador PiS, é um dos países onde a percepção da situação mais piorou. Mais de duas em cada três pessoas ouvidas disseram que a situação está pior no país.

A comissária europeia da Igualdade, Helena Dalli, lembrou que a Polônia recentemente criou dezenas de assim chamadas “zonas livres de ideologia LGBT+”. “Ainda mais preocupante, testemunhamos recentemente dentro da UE incidentes contra a comunidade LGBT+, como agressões em paradas, a adoção de declarações de ‘zonas livres de ideologia LGBT+’, multas para publicidades que são simpáticas ao público LGBTI e outros”, diz Dalli, sem mencionar que esses casos ocorreram na Polônia. “Qualquer pessoa na União Europeia deveria se sentir segura e livre para ser ela mesma”, afirmou Dalli. Entre as pessoas ouvidas na Polônia, 44% disseram perceber uma deterioração dramática na tolerância em relação a membros da comunidade LGBT+ nos últimos cinco anos. É a maior percentagem identificada pela pesquisa num país. Em segundo lugar está a França, com 25% dos consultados franceses dizendo que perceberam uma deterioração, dos quais 29% disseram que ela foi dramática. Mas o relatório tem também ao menos uma boa notícia: na Irlanda, 76% disseram ter visto uma melhora na tolerância no período depois de 2015, quando o país, também majoritariamente católico, aprovou o casamento entre pessoas do mesmo sexo num referendo.

A agência antidiscriminação do governo alemão afirmou que o estudo demonstra uma clara necessidade de ação, já que o país ficou na média ou apenas um pouco acima. “Quando quase metade dos consultados diz ter medo de andar de mãos dadas em público, e um em cada cinco esconde sua sexualidade no local de trabalho, isso deve nos causar enorme preocupação”, afirmou o diretor da agência alemã, Bernd Franke.

Este último aspecto é um dos que melhor mostram a linha divisória que existe entre o Leste Europeu e a parte ocidental da Europa na questão dos direitos dos LGBT+. Na Bulgária, Croácia, Chipre, Estônia, Finlândia, Grécia, Letônia, Lituânia, Polônia, Romênia, Eslováquia, Macedônia do Norte e Sérvia, apenas 10% ou ainda menos disseram ser muito francos sobre sua identidade sexual no trabalho. A média dos 27 países da UE mais o Reino Unido é de 21%.

Franke disse que está mais do que na hora de uma reviravolta nas diretrizes europeias sobre igualdade, que, segundo ele, não mudam há anos. Ele sugeriu que o Dia Internacional contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia, em 17 de maio, seja usado para destacar as injustiças existentes, “mesmo durante a crise do coronavírus”.

_____________

* A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
Canais: Facebook, Twitter, YouTube, App, Instagram e Newsletter

Suicídio entre público LGBT aumenta quase quatro vezes em dois anos

Desde 2016, o Grupo Gay da Bahia (GGB) inclui o suicídio em seu levantamento de mortes violentas contra LGBTs. Naquele ano, foram 26 registros, contra 100 casos em 2018, um aumento de 284% no período

Neste mundo, não houve respostas concretas para as questões de Carlos (nome fictício) que, aos 24 anos, decidiu procurá-las em outro: suicidou-se, deixando os motivos e as desculpas como testamento. Com a alegria de um fã da cantora Beyoncé e a bravura de quem cedo aprende a ser forte, por simplesmente amar seus iguais, optou por interromper a própria presença e virar lembrança. “Respira. Vai agora não, que ainda tem jeito”, teriam lhe dito, se pudessem os que, agora, sentem sua falta.

Assim como Carlos, 100 lésbicas, gays, bissexuais e transexuais tiraram a própria vida durante o ano de 2018, conforme o relatório “Mortes Violentas de LGBT+ no Brasil”, realizado pelo Grupo Gay da Bahia (GGB). Em comparação com a primeira vez em que a prática apareceu nos registros do GGB, em 2016, os casos saltaram mais de 284%, quase quadruplicando (foram 26 suicídios no primeiro relatório). O levantamento não traz dados específicos sobre suicídios por região ou Estado, mas Téo Cândido, coordenador do Centro de Referência LGBT da Prefeitura de Fortaleza Janaína Dutra, destaca que cerca de 20% dos atendidos na unidade relataram ter sofrido adoecimento mental.

Causa

O suicídio é a quarta principal causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos no Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde. O público LGBT tem seis vezes mais chance de cometer o ato, de acordo com a revista científica americana “Pediatrics”. Ainda para a publicação, o risco de suicídio é 21,5% maior quando LGBTs convivem em ambientes hostis à sua orientação sexual ou identidade de gênero.

Para o jornalista e ex-namorado de Carlos, Iury Figueiredo, a culpa não é somente do conservadorismo social, mas também do universo particular de cada um. “Uma vez só ele me falou que sua vida não teria muito futuro, mas era difícil de acreditar, de dar vazão”, rememora.

Grande parte dos 100 casos de LGBT aos quais o levantamento do GGB se refere foi pesquisada em “páginas de obituários que relatam mortes e perfis das vítimas nas redes sociais”. Iury, por exemplo, descobriu o suicídio de Carlos por meio de uma carta deixada na rede social Facebook. “Ele era muito forte para os outros, se metia em briga, o que fosse, para defender os amigos. Era de pegar na mão e pedir pra ficar tranquilo”, refaz Iury.

“Os dados disponibilizados pelo GGB dialogam com um contexto de pouca notificação. É uma organização civil que pauta a problemática, justamente pelas pouquíssimas informações. O suicídio entre LGBTs é extremamente subnotificado, o que perpetua a alarmante invisibilidade desse público”, aponta Téo Cândido, do Centro Janaína Dutra.

A unidade recebe vítimas de discriminação ou violência em decorrência da identidade de gênero ou orientação sexual. “É recorrente identificarmos depressão, dependência de álcool e outras drogas, transtornos de humor, dentre outros fatores de bastante risco atrelados ao suicídio”, desenvolve Téo.

Em 2018, foram 178 pessoas atendidas no Centro, cerca de 3% delas informaram pelo menos uma tentativa de suicídio ao longo da vida. O equipamento conta com uma psicóloga, que trabalha com uma escuta de psicoterapia breve. Se o atendimento contínuo for confirmado, o LGBT é encaminhado a algum serviço de saúde do Município de Fortaleza.

Índices

O Ceará cravou a quinta posição no índice de mortes violentas de LGBTs, com 23 casos em 2018. No Nordeste, o Ceará ficou atrás apenas da Bahia, que terminou o ano com 35 registros. Em todo o País, a LGBTfobia deixou 420 vítimas. Em caso de suicídio, as lésbicas representaram o maior aumento de casos de 2017 para 2018: foram 52% a mais. Gays tiveram um aumento de 45%, trans uma diminuição de 14%. Bissexuais permaneceram com 3%. “Tudo isso se deve à LGBTfobia, que repete ‘prefiro ver um filho morto a ter um filho gay’. Essa intolerância em casa, na escola, na internet provoca perdas emocionais nessas pessoas”, analisa o antropólogo e fundador do GGB, Luiz Mott.

O presidente da Associação Transmasculina do Ceará (Atrans-CE), Kaio Lemos, entende o problema como uma soma de fatores ambientais e sociais. “O ato é, inicialmente, coletivo, quando o indivíduo não se enxerga dentro dos processos de conexão social. É um estado de falta de pertencimento que leva à prática”, crê. Por duas vezes, Kaio também tentou interromper o viver. Hoje, o suicídio, para ele, virou tema para o doutorado.

Se do lado de lá, Carlos pudesse ouvir, Iury pediria para que ele valorizasse sua vida: “O que tudo isso me mostrou é que as pessoas são importantes, e que precisamos pedir e dar ajuda”. De agora em diante Iury verá Carlos apenas se acessar as memórias mais carinhosas. “Todo mundo lembra do quanto ele é feliz? aliás, era. Desculpa, eu continuo falando no presente”, admite.

Compreensão

Para a coordenadora geral do Centro de Valorização da Vida (CVV) em Fortaleza, Rejane Felipe, suicídio é a idealização de que não há mais como solucionar os problemas. “LGBTs têm ainda mais propensão, passam por muita rejeição da própria sociedade em aceitá-los. Outra preocupação é com o fato de falar de suicídio ainda ser tabu”, defende. Ela alerta para os sinais, que envolvem mudança de comportamento, frases como “não sirvo para nada”, e “não aguento mais esta carga”.

Iury ressalta a falta de políticas públicas em educação sobre o tema. “Precisamos começar cedo a entender nossa sexualidade e nosso sentimento de amor, desejo e afetos. Pesa muito termos de desvendar tudo com as próprias mãos”, salienta Iury Figueredo.

A cuarte versus a cufobia – quem vai derrubar Bolsonaro?

Leandro Colling, professor da UFBA e coordenador do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Culturas, Gêneros e Sexualidades (NuCuS)
Publicado pelo portal iBahia, em 9 de março de 2019

 

No finalzinho do Carnaval de 2019,  o mundo foi sacudido por um tuite do presidente Jair Bolsonaro, que comentou e replicou uma performance realizada por duas pessoas na passagem do BloCU, no centro de São Paulo. A cena já é super conhecida e nem precisa ser descrita em detalhes aqui. Os meus objetivos aqui são outros: 1) defender as pessoas artistas da performance; 2) defender o caráter político da performance; 3) defender que essa performance gerou efeitos imensos, maiores do que muitas outras petições, abaixo assinados, paradas LGBT e demais manifestações contra os preconceitos, o conservadorismo, o fundamentalismo e a eleição de Bolsonaro.

O que significa o insulto “vai tomar no cu” para quem tem o cu como um importante elemento da sua vida sexual? No Carnaval, enquanto ditos/as progressistas opositores/as do governo de Jair Bolsonaro enchiam os pulmões nos quatro cantos do país para mandar o presidente tomar no cu, duas pessoas artistas resolveram atacar o conservadorismo que se alastra no país e que se manifesta inclusive entre aqueles e aquelas que julgam combatê-lo. Vocês querem me insultar ao tomar no cu? Pois eu enfio meu dedo no meu próprio cu e gozo. Mudem os seus insultos, mudem as suas estratégias, pois elas têm um caráter cufóbico (nem se trata só de homofóbico porque milhares de pessoas heterossexuais também fazem sexo anal). A nossa luta é contra a castração dos nossos respectivos cus. Gozem sem impedimentos. Essa é a mensagem política da performance dessas duas pessoas.

Mas, ao que parece, o dedo no cu foi suplantado pela chuva dourada. O próprio presidente não sabia o que, em outros termos, tem feito na cabeça de brasileiros/as a décadas. A prática de urinar em outra pessoa, conhecida em determinados circuitos das dissidências sexuais e de gênero, das quais as pessoas artistas fazem parte, também nos dá muito sobre o que pensar. Não é incrível que em um jornal de grande circulação no país, em uma reportagem sobre o caso, um profissional do campo da saúde defenda que a prática não é uma doença e sequer transmite doenças e um conhecido militante do movimento GGGG (que se diz LGBT mas, na verdade, é gay) critica a performance das pessoas artistas? Isso nos diz muito sobre várias coisas, sobre como o conservadorismo se consolidou na mente de tantos de nós. Mas vamos para outras perguntas geradas por esse caso: por que uma chuva dourada, consentida e em um ato artístico, frisa-se, causa tanto espanto? Por que o presidente e os tais representantes dos movimentos sociais e demais pessoas ditas progressistas não se espantam e protestam quando um homem retira o coração de uma travesti para matá-la (sim, esse caso ocorreu em janeiro de 2019!!! Vejam https://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2019/01/21/homem-e-preso-em-campinas-apos-matar-e-guardar-coracao-da-vitima-em-casa.ghtml)? Por que uma mijada consentida provoca um tsunami e esse caso e centenas de outros motivados por feminicídio e transfobia já foram praticamente esquecidos? Sangue sem consentimento pode e xixi consentido não pode?

Essas e outras perguntas (vou parar por aqui) não deixam dúvidas de que as artes das dissidências sexuais e de gênero possuem um potencial imenso e inesgotável para combater o fundamentalismo e, até, pasmem, derrubar o presidente da República! Um jurista chegou a defender que Bolsonaro poderia sofrer um processo de impeachment por falta de decoro, lembrem disso. Quando foi que duas pessoas conseguiram gerar tanto debate em torno de dissidências sexuais e de gênero no Brasil? Na história recente, a travesti crucificada em um trio elétrico na parada LGBT de São Paulo talvez tenha causado impacto próximo do que vimos nesses últimos dias. Nem as históricas e louváveis manifestações do Ele Não conseguiram gerar o impacto causado pela performance tuitada por Bolsonaro. Enquanto isso, algumas pessoas ainda apostam em petições, abaixo assinados e, pasmem, tentativas de diálogo com um governo ultraconservador que zomba, diariamente, das questões de sexualidade e de gênero.

Por último, uma breve reflexão que talvez seja a mais importante e que explique muita coisa. Cada período histórico produz determinados processos de subjetivação, determinadas subjetividades, entendidas aqui em sentido amplo, em especial a produção de sentimentos, formas de ser e estar no mundo, formas de se sentir frente ao mundo. Não há dúvidas de que temos vivido, nos últimos dez anos, as consequências de uma produção de subjetividade reativa, gerada pela rearticulação das forças conservadoras e fundamentalistas, no Brasil e em várias partes do mundo, que passaram a eleger como inimigos/as especialmente as pessoas da chamada diversidade sexual e de gênero. Mas, ao mesmo tempo, um imenso grupo de artistas, ligados de formas diversas e em intensidades variadas às chamadas dissidências sexuais e de gênero, têm reagido à essa produção de subjetividades. Nesse grupo existem pessoas artistas que já chegaram a participar de programas da TV Globo. Mas existem outras pessoas artistas querem é acabar com a TV Globo. O que essa cena artística poderá gerar no futuro? Não sei, mas já sabemos o que ela gerou, e não foi pouca coisa.

OBS: optei por não revelar o nome das pessoas artistas em respeito à solicitação delas próprias, expressas em uma reportagem publicada no jornal Folha de S. Paulo.

“Jovens não recebem informação sobre HIV nem na família nem na escola”

Vice-presidente da Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids fala sobre a importância da conscientização dos adolescentes

Por Afonso Ribeiro
Publicado pelo portal Destak, em 26 de novembro de 2018

(Foto: Reprodução)

Nos últimos dez anos, foram notificados pelo Ministério da Saúde mais de 136.945 casos de infecção pelo HIV no Brasil. Mais da metade ocorreram em pessoas na faixa etária de 20 a 34 anos. Nos últimos cinco anos, o Brasil registrou média anual de 41,1 mil casos de Aids.

Para Veriano Terto Jr., vice-presidente da ABIA (Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids), o aumento do número de jovens portadores de HIV ocorre porque eles não recebem informações adequadas das instituições de ensino e muito menos da família.

“Os adolescentes não escutam falar sobre camisinha nas escolas. Uma família conservadora também não fala. O jovem acaba recebendo conteúdo na internet de forma fragmentada. Um dos melhores medicamentos contra o HIV é a informação e, infelizmente, a informação tem sido pouca” afirma o psicólogo.

Terto ainda critica a falta de políticas públicas, em nível estadual e municipal destinadas a essa parte da população. “São, no máximo, campanhas, não tem um programa efetivo, capilarizado, que chegue efetivamente nos jovens”, completa Veriano, que diz temer um recrudescimento da prevenção com um potencial avanço do projeto “escola sem partido” no Congresso.

Sobre o jovem que se descobre portador do HIV, o psicólogo afirma que não é preciso achar que é o fim do mundo. “É possível viver com o vírus. A primeira coisa é procurar um médico de sua confiança e buscar ONGs, que podem auxiliar nessa busca. É importante estar bem informado e junto com as pessoas. É mais fácil enfrentar com solidariedade do que com isolamento e medo”.

A revanche dos ressentidos

Depois da eleição de Bolsonaro, os demônios interiores saíram para passear

Eliane Brum
Publicado pelo portal El País, em 7 de novembro de 2018

Eleitores comemoram vitória de Bolsonaro (F. Maia / EFE)

Eu acompanhava uma amiga no aeroporto, em São Paulo. Os elevadores que levavam do estacionamento aos terminais demoraram. Quando finalmente entramos, estava lotado. Um homem com um bebê no colo, possivelmente seu neto, gritou: “Quando Bolsonaro assumir, isso aqui vai andar rápido!”. E acrescentou: “Pá! Pá! Pá!”. Abri a boca para perguntar: “Você está atirando no seu neto?”. E então percebi que não poderia fazer isso sem me arriscar a sofrer violência. O homem e a família que o rodeava realmente pareciam acreditar que Bolsonaro dará “um jeito em tudo”, dos “comunistas” que supõem existirem aos milhões, à velocidade dos elevadores.

A eleição de Jair Bolsonaro, o populista de extrema direita que será o próximo presidente do Brasil, liberou algo no país. Um ressentimento contido há muito – por muitos. Todo o tipo de recalque emergiu dos esgotos do inconsciente e hoje desfila euforicamente pelas ruas, escolas, universidades, repartições públicas, almoços de família.

Gays são ameaçados de espancamento se andarem de mãos dadas, ou simplesmente por existir, mulheres com roupa vermelha são xingadas por motoristas que passam, negros são avisados que devem voltar para a senzala, mulheres amamentando são induzidas a esconder os seios em nome da “decência”. Aquele amigo de infância de quem se guardava uma boa lembrança escreve no Facebook que chegou a sua vez de contar o quanto o odiava em segredo e que pretende exterminá-lo junto com a sua família de “comunistas”. Um conhecido que passou a vida adulta acreditando merecer mais sucesso e reconhecimento do que tem, agora espalha sua barriga no sofá da sala e vocifera seu ódio contra quase todos. Outro, que se sempre se sentiu ofendido pela inteligência alheia, sente-se autorizado a exibir sua ignorância como se fosse qualidade.

Mensagens no Facebook anunciam que vão caçar todos os que votaram contra Bolsonaro e jogá-los na fronteira. Aqueles que se opuseram ao autoritarismo são tratados por essa multidão enraivecida como se fossem estrangeiros – e o país tivesse deixado de pertencer também a eles. Como nos princípios do regime totalitário do cada vez mais atual 1984, clássico de George Orwell: “Guerra é paz. Liberdade é escravidão. Ignorância é força”.

A atmosfera tóxica do Brasil atual pode ser resumida por um trecho da carta que chegou ao Centro Acadêmico da Geografia, na Universidade Federal do Pará, em Altamira: “Bem vindos ao fascismo! Agora é a nossa vez, agora é o nosso momento, vocês vão ter que engolir porque vamos passar por cima de cada um de vocês, cada gay, cada sapatão, preto e preta. Vamos exterminar cada um de vocês. (…) Vão morrer um por um, cada preto e preta que acham que podem sair da senzala”. A carta anônima termina com: “Viva Bolsonaro! Viva a ditadura! Viva o Fascismo! Viva o Carlos Alberto Brilhante Ustra!”.

Como as palavras se esvaziaram de sentido no Brasil, “comunismo” e “comunista” virou o nome para tudo e todos que se odeia, seja pela orientação sexual, pela cor da pele ou pela atuação política. O termo não tem mais nenhuma relação com seu conceito, mas foi apropriado como o pecado da parcela da população que denunciou o autoritarismo criminoso de Bolsonaro, um apologista da tortura e dos torturadores. E assim o Brasil inaugura um outro tipo de Guerra Fria.

O pacto civilizatório, aquele que permitia a convivência, já vinha sendo rompido nos últimos anos no país. Agora foi rasgado por completo. Este é o primeiro sinal.

74% dos brasileiros acham que a homossexualidade deve ser aceita por toda a sociedade, diz Datafolha

Pesquisa Datafolha divulgada no sábado, 27 de outubro, foi feita em 24 e 25 do mesmo mês e ouviu 9.173 eleitores em 341 municípios sobre temas como homossexualidade, posse de armas e os salários de negros e mulheres.

Publicado pelo portal G1, em 27 de outubro de 2018

Pesquisa do Instituto Datafolha divulgada na tarde deste sábado (27) aponta que a maioria dos brasileiros acredita que a homossexualidade deve ser aceita por toda a sociedade.

A pesquisa ouviu 9.173 eleitores em 341 municípios entre os dias 24 e 25 de outubro. Ela também ouviu a opinião dos eleitores sobre a posse de armas e se eles concordam ou discordam que negros e mulheres ganham menos do que brancos e homens no mercado de trabalho por causa de sua cor/raça ou gênero.

Homossexualidade

A pesquisa perguntou aos eleitores qual das duas frases eles concordam mais: “A homossexualidade deve ser aceita por toda a sociedade” ou “A homossexualidade deve ser desencorajada por toda a sociedade”.

O resultado foi:

  • A homossexualidade deve ser aceita por toda a sociedade: 74%
  • A homossexualidade deve ser desencorajada por toda a sociedade: 18%
  • Não sabe: 8%

Histórico

A mesma pergunta já havia sido feita em outras três ocasiões nos últimos cinco anos. Na pesquisa mais recente, a porcentagem de eleitores que dizem achar que a homossexualidade deve ser desencorajada por toda a sociedade foi a menor desde 2013.

Veja a evolução das respostas:

Datafolha – 27 de outubro – Opinião sobre a homossexualidade — Foto: Arte/G1]

Datafolha – 27 de outubro – Opinião sobre a homossexualidade — Foto: Arte/G1]Sobre a pesquisa:

  • Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos
  • Entrevistados: 9.173 eleitores em 341 municípios
  • Quando a pesquisa foi feita: 24 e 25 de outubro
  • Registro no TSE: BR-05743/2018
  • Nível de confiança: 95%
  • Contratantes da pesquisa: TV Globo e “Folha de S.Paulo”
  • nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos.

Alguma novidade?

Pessoas homofóbicas são menos inteligentes, diz estudo australiano que relaciona habilidades cognitivas e preconceito

Publicado pelo portal Galileu, em 7 de junho de 2018

https://revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2018/06/pessoas-homofobicas-sao-menos-inteligentes-mostra-pesquisa.html

(Foto: divulgação)

Ser homofóbico pode significar ser menos inteligente também. Esses são alguns dos argumentos de um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália, publicado no periódico Intelligence.

Outros estudos norte-americanos já tinham chegado a essas conclusões. A pesquisa em questão, no entanto, é a primeira feita fora dos Estados Unidos, mostrando que a relação entre o preconceito e a pouca inteligência não se restringe a apenas uma região.

Os autores do estudo analisaram os dados de mais de 11 mil australianos a partir de relatórios realizados em 2012 e 2015 no país. O primeiro abordava as habilidades cognitivas dos participantes e o segundo, as atitudes deles em relação à luta por direitos iguais. Neste último, a questão principal era se quem respondia acreditava que casais homossexuais deveriam ter ou não os mesmos direitos que os casais heterossexuais.

Segundo os cientistas, a análise mostrou que pessoas com mais habilidades cognitivas, ou seja, mais inteligentes aos olhos da ciência, tendem a ser menos preconceituosas. Eles afirmam ainda que a tendência ocorre independente da educação e da condição econômica dos participantes.

“Nossos resultados sugerem que as habilidades cognitivas têm um papel crítico no preconceito. Sugerimos um foco maior nas pesquisas sobre habilidades cognitivas e uma integração desse fatos aos modelos de estudo do preconceito”, afirmam os pesquisadores.

2017 foi marcado pela intolerância; especialistas temem repetição em 2018

Por meio de discursos do ódio, aversão às diferenças e desrespeito aos direitos humanos, a intolerância imperou no Brasil e no mundo

JC Juliana Cipriani
Publicado pelo portal Estado de Minas, em 31 de dezembro de 2017

Carlos Magno, conselheiro nacional de direitos humanos e secretário da ABGLT, espera tempos melhores
(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)

Racismo, injúria, homofobia, xenofobia, assédio e censura às artes. O ano de 2017 ficará marcado por discursos de ódio e desrespeito às diferenças tanto no Brasil como pelo mundo afora. Seja em razão do aumento do número de casos de agressão, seja devido a um maior visibilidade deles, a intolerância explodiu. Na avaliação de especialistas ouvidos pelo Estado de Minas, o uso das redes sociais e o contexto em que as minorias ganharam mais espaço contribuíram para a exacerbação dos ânimos e opiniões conflitantes. Por mais que esse clima tenha assustado alguns, a tendência é de que as ações e reações continuem fortes em 2018.

O país sofreu um choque ao ver Titi, a filha do casal de atores Bruno Gagliasso e Giovana Ewbank, ser atacada na internet por preconceito racial. Também nos assustamos com a decisão de um juiz permitindo o tratamento da cura gay e com os protestos que se multiplicaram pelo Brasil taxando obras de arte de estimular a pedofilia. No mundo, o assédio que agrediu mulheres durante anos e foi descortinado pelas denúncias de atrizes em Hollywood. Com o governo de Donald Trump nos Estados Unidos, ganhou força a intolerância aos povos, ante a proibição de entrada de muçulmanos no país e os ataques aos mexicanos.

A explicação para tantos retrocessos pode estar num fenômeno conhecido como “backlash”. Trata-se de um conceito que explica a atração entre os extremos. Quando existe algum tipo de progresso, normalmente existe uma onda contrária. “Nos últimos anos as ações feministas, LGBTQI e anti-racistas, entre outras, têm sido amplificadas e o backlash acontece. Isso ocorre combinado a uma situação econômica difícil, capaz de fazer com que certos segmentos da população, que antes se sentiam mais poderosos e agora começam a perder espaço para uma sociedade mais igualitária, tentam recuperar a posição que tinham antes”, explica a cientista política Larissa Peixoto Gomes. Para ela, a intolerância é um fenômeno global, que atinge vários países, se concretizando, por exemplo, na eleição de Donald Trump e na saída do Reino Unido da União Europeia.

A socióloga Daniele Cireno Fernandes também acredita que as maiorias estejam se sentindo agredidas e ameaçadas. “Ontem eles podiam chamar uma pessoa de mulata gostosa e hoje não podem mais passar na rua e chamar alguém de viado. As reservas de vagas, para eles, estão tirando suas vagas, é uma reação de raiva mesmo”, avalia. Para a especialista, as redes sociais contribuem para esse clima. “É onde você cria sua própria comunidade virtual e exclui pessoas que pensam diferente. Isso estimula muito as atitudes extremistas”, diz.

O conselheiro nacional de direitos humanos e secretário de formação da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT), Carlos Magno, diz que a intolerância tem muito a ver com o momento político por que passa o Brasil. “Houve uma ruptura democrática com o golpe (impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e, com isso, uma espécie de autorização para que emergissem todas as forças conservadoras. A disputa política construiu um ódio muito grande e ajudou a fazer surgir esse fascismo, porque a intolerância é uma prática fascista”, disse.

Carlos Magno espera tempos melhores em 2018, especialmente depois das eleições, mas a opinião de sociólogos e cientistas políticos não é tão otimista. A cientista política Larissa Gomes está convencida de que a amplificação das lutas sociais e políticas tende a permanecer no mundo on-line e no offline. “Ainda estamos discutindo pontos como as consequências da escravidão e da exclusão da mulher na política. Há muita coisa para extravasar e consertar”, disse.

Para o sociólogo Luiz Alberto Oliveira Gonçalves, a intolerância ficou mais evidente em 2017 e deve ficar cada vez mais visível. “A intolerância já está em um nível altíssimo e, para mim, já tinha de ter nos assustado há muito tempo. O que me assusta é a gente se acostumar com isso, achar que é natural. Tenho visto pouca reação”, disse. O sociólogo afirma que é preciso ficar mais atento e crítico aos movimentos que estão surgindo e trabalhar para construir uma sociedade onde as pessoas possam dialogar.

O mestre em ciência política Lucas Cunha também acredita que o clima seja de continuidade nessa polarização de opiniões, principalmente na campanha eleitoral. “Acredito que deve haver uma agudização no ano que vem dessa polarização, que agora não está mais no plano dos partidos, mas tende a ocorrer com outros elementos. A gente tem por exemplo um debate no Brasil sobre os direitos que estão sendo violados, como os trabalhistas e os previdenciários, nessas propostas do governo, e até outros que ainda nem foram consolidados, como o de moradia. Essa pauta deve nortear a decisão do eleitor”, afirmou.

Calendário de ataques

1) Racismo e injúria

No fim de novembro, uma socialite ofendeu Titi, filha dos atores Bruno Gagliasso e Giovana Ewbank, chamando-a de macaca. O caso foi denunciado pelos pais da menina à polícia e gerou grande comoção nacional. No mesmo mês, a atriz Taís Araújo havia contado que já viu muita gente mudar de calçada para evitar seu filho negro e anônimo.

2) Homofobia

Em setembro, o juiz Waldemar Cláudio de Carvalho autorizou psicólogos a realizarem o procedimento da cura gay, com vistas a auxiliar os homossexuais a mudar sua orientação com a terapia de reversão sexual. O caso gerou várias reações de famosos e anônimos nas redes sociais.

3) Xenofobia

O presidente Donald Trump anunciou a criação de um muro para impedir os mexicanos de entrar nos Estados Unidos, alegando que eles levam drogas e estupradores ao seu país. Em junho, deu ordem para impedir cidadãos do Irã, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iémen de ingressar em solo americano. Refugiados de países não cristãos também sofreram a restrição.

4) Assédio

No Brasil, as mulheres se uniram em abril na campanha Mexeu com uma mexeu com todas em resposta ao assédio praticado pelo ator José Mayer a uma camareira. Em outubro, foi a vez das atrizes de Hollywood denunciarem o produtor Harvey Weinstein pela violência contra as mulheres. O ator Kevin Spacey também foi punido perdendo o papel de protagonista na série House of Cards por ter assediado rapazes. No Brasil, houve uma onda de homens ejaculando em mulheres em ônibus. Somente após pressão popular eles foram presos.

5) Censura às artes

Em setembro, a mostra Queermuseu foi cancelada em Porto Alegre sob acusação de conter cenas de pedofilia e zoofilia. Outra mostra condenada foi a que trouxe uma interação entre um homem nu e uma criança no Museu de Arte Moderna (MAM), em São Paulo. Em uma audiência pública na Câmara, um deputado provocou confusão ao dizer que gostaria de ver a mãe do ministro da Cultura, Sérgio Leitão, exposta com as pernas abertas.

6) Intolerância religiosa

Em novembro, um atirador usou um rifle para disparar sobre fiéis em uma igreja batista no Texas, matando 26 pessoas e deixando outras 20 feridas. Na última sexta-feira, um homem matou ao menos nove pessoas e feriu outras seis em uma igreja cristã do Cairo, no Egito. O atentado foi assumido pelo Estado Islâmico.

“Cura gay” é charlatanismo, e o Direito não pode compactuar com isso

Por Rodrigo da Cunha Pereira 
Publicado pelo portal Consultor Jurídico, em 8 de outubro de 2017

Não é a primeira vez que o Brasil se depara com a questão da pseudo “cura gay”. Tramita na Câmara dos Deputados, em caráter conclusivo, o PL 4.931/2016, de autoria do deputado Ezequiel Teixeira (PTN-RJ), que “dispõe sobre o direito à modificação da orientação sexual em atenção a Dignidade Humana”. A absurda proposta encontra-se atualmente na Comissão de Seguridade Social e Família, pois encerrado o prazo para apresentação de emendas, em 6 de setembro.

Esse assunto voltou à discussão quando, no dia 15 de setembro, um juiz federal do Distrito Federal julgou procedente o pedido, em uma ação popular proposta pela psicóloga Rozangela Alves Justino e outros, para invalidar Resolução 01/1999 do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que proíbe psicólogos de submeter seus pacientes à psicoterapia com objetivo de “reverter” a homossexualidade.

Pelo sim ou pelo não, essa decisão judicial tem o grande mérito de trazer de volta essa inquietante questão. Impressionante como esse assunto tem o poder de mobilização geral. É que ele diz respeito a todas as pessoas. Todos somos sujeitos sexuais. E todos estão sempre à procura de uma “normalidade”. Algo que se encaixe na norma. E o Direito, como um instrumento ideológico de inclusão e exclusão de pessoas no laço social, sempre tentou regular a sexualidade, embora isso seja impossível. É assim que o casamento foi, por muitos e muitos séculos, o legitimador das relações sexuais. Mas esse discurso moralizante era rompido sempre, principalmente pelos homens, que até ficavam enaltecidos em sua masculinidade. Mas, como todo discurso moralista, ele trazia consigo a sua própria contradição: se somente os homens podiam ter relações sexuais antes ou fora do casamento, com quem eles iriam ter relações sexuais, se às mulheres era proibido? Só podia ser com prostitutas ou outros homens, ambos condenados pela ordem jurídica e social.

A sexualidade interessa ao Direito de Família na medida em que ela é o elemento intrínseco, vitalizador, ou desvitalizador, da conjugalidade. E das famílias conjugais decorrem direitos. No Direito mais contemporâneo, a conjugalidade, seja no casamento ou união estável, já não é mais monopólio da heteroafetividade. Mesmo assim as relações homossexuais continuam sendo um assunto que ainda envolve muito preconceito. Denominá-la de relações homoafetivas muda o significante e ajuda a diminuir essa carga de preconceito. Ver a homossexualidade como doença é uma boa forma de patologizar no outro o que é estranho em si mesmo.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), desde 17/5/1990, retirou do rol das doenças a homossexualidade. Apesar disso, nove países no mundo têm pena de morte para homossexuais. No Brasil, ainda há quem veja a preferência homossexual como doença. E o mais incrível é que ainda há pessoas, que se dizem psicólogos, que também pensam assim. Certamente não leram Freud, que em sua teoria das pulsões já disse, no início do século passado, que todas as pessoas trazem consigo uma predisposição à bissexualidade. A sexualidade humana, portanto, não é algo natural, é “perverso-polimorfa”. A sexualidade é plástica. Em outras palavras, mesmo os que se dizem “normais” trazem consigo, latente ou sublimado, a bissexualidade. Querer atribuir à heterossexualidade o estatuto da normalidade, em oposição à homossexualidade, é animalizar demais a sexualidade humana ao colocá-la apenas como instintiva e geneticamente predeterminada. Isso significa reduzir a humanidade que há em cada um de nós. Em linguagem constitucional, é reduzir a dignidade humana.

Entender a homossexualidade como doença, a ponto de querer revertê-la à heteronormalidade, é apenas uma maneira de repudiar a pulsão sexual do outro e em si próprio. Mas isso é impossível. A pulsão sexual está em nós, irremediavelmente. A homofobia é a homossexualidade não reconhecida em si e que traz consigo o desejo de combatê-la no outro. Os fiscais da sexualidade alheia, os guardiões da moralidade, certamente têm questões da própria sexualidade mal resolvida. Quem está em paz com a própria sexualidade não se incomoda com a dos outros.

As experiências com esse tipo de tratamento constituem uma violação à dignidade e é uma tortura, objetificação do sujeito ao tentar adestrá-lo para a heteronormatividade. O relato da fotógrafa equatoriana Paola Paredes é chocante. Ela fez uma importante denúncia, com registros fotográficos da violência que é o tal tratamento. No Equador, embora seja proibida a tal “cura gay”, existem dezenas de clínicas, travestidas de tratamento de alcoolismo e drogas. A fotógrafa fez uma profunda investigação, inclusive visitando mulheres que passaram por essas clínicas. O que se viu ali é o retrato da violência psíquica que significa tal “tratamento”. Para que as mulheres se feminilizassem e passassem a gostar de homens, eram submetidas a “estupros corretivos”. Também recebiam “vitaminas” que provocavam perda de memória, insônia. Tinham que escutar por horas músicas religiosas, ou eram obrigadas a andar de saltos altos, usar maquiagem e saias curtas (www.paolaparedes.com). Essa realidade de um país latino-americano nos leva a crer que existam clínicas clandestinas como essas no Brasil. O Conselho Federal de Psicologia, atento a isso, é que fez a tal Resolução CFP 01/1999.

A hetero e a homossexualidade são apenas variantes da sexualidade humana, e o pluralismo sexual é atributo da personalidade e como tal não pode qualificar ou desqualificar pessoas e expropriar cidadanias. Assim como a cor da pele, o gênero e a opção religiosa, a preferência sexual não pode ser um obstáculo ao exercício do gozo de todos os direitos em uma sociedade. Só se pode entender que a homossexualidade tem cura se a heterossexualidade também tem. A sexualidade humana é diversidade e alteridade que está em cada um de nós. Somos todos sujeitos de desejo e sujeitos de pulsão. Portanto, prometer ou anunciar psicoterapia de reversão, ou seja, cura gay, é moralismo perverso, propaganda enganosa e ignorância. E o Direito não pode permitir ou compactuar com tal charlatanismo.

Rodrigo da Cunha Pereira é advogado e presidente nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM), mestre (UFMG) e doutor (UFPR) em Direito Civil e autor de livros sobre Direito de Família e Psicanálise.

Medieval, absurda e inconstitucional: sobre a decisão que permitiu a “cura gay”

Paulo Iotti, advogado e professor 
Publicado pelo porta Justificando, em 18 de setembro de 2017

Parada LGBT em São Paulo. (Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas)

Em decisão liminar, o juiz Waldemar Claudio de Carvalho, da 14ª Vara Federal de Brasília afirmou a validade da Resolução n.º 01/1999, do Conselho Federal de Psicologia (CFP), que proíbe a consideração da homossexualidade como doença, desvio psicológico, perversão e, em suma, de qualquer forma que patologize a orientação sexual direcionada a pessoas do mesmo gênero, desde que o CFP a interprete de forma a não proibir “terapias” (sic) que visem a “reorientação sexual” [de homossexuais e bissexuais egodistônicos, obviamente, já que heterossexuais isso não buscam]. Em suas palavras, impôs ao CFP que não interprete a Resolução 01/1999 “de modo a impedir os psicólogos de promoverem estudos ou atendimento de (re)orientação sexual” (sic), supostamente como decorrência da “liberdade científica acerca da matéria, sem qualquer censura ou necessidade de licença prévia do C.F.P”.

Ou seja, atribuiu à Resolução uma interpretação conforme a Constituição, para considerá-la constitucional desde que interpretada como não proibindo o tratamento da homossexualidade e da bissexualidade egodistônicos, e no específico sentido de [supostamente] não proibir as chamadas “terapias” de “reorientação sexual” (sic), para que a pessoa que se identifique como homossexual ou bissexual possa ser “tratada” (sic) para se tornar heterossexual. Embora a decisão liminar não fale em termos tão peremptórios sobre “cura gay” (sic), essa é a consequência prática de sua determinação. Ação esta movida, entre outros, por Rozangela Justino, a qual sofreu pena de censura pelo CFP, precisamente por propagar a suposta possibilidade de se mudar a orientação sexual das pessoas, por “terapia” psicológica [1].

Como visto, embora divulgada, por vezes, como uma decisão que manteve a validade da Resolução CFP 01/1999, na prática referida decisão liminar praticamente torna a resolução verdadeira letra morta. Ora, referida resolução foi aprovada poucos anos depois da despatologização da homossexualidade e da bissexualidade pela Organização Mundial de Saúde, a qual, desde a Classificação Internacional de Doenças (CID) n.º 10, de 1990, afirma que “a orientação sexual por si não deve ser vista como um transtorno”. O intuito da Resolução, desde sempre, foi proibir psicólogos de patologizarem orientações sexuais distintas da heterossexualidade (logo, homossexualidade, bissexualidade [2] e assexualidade).

Nesse sentido, apesar da decisão, ao enunciar suas premissas, afirmar que “a homossexualidade constitui uma variação natural da sexualidade humana, não podendo ser, portanto, considerada como condição patológica” e que o Projeto de Lei 4.931/2016 merece críticas, ao aparentemente buscar equiparar a homossexualidade a um transtorno da sexualidade, entra em contradição o Juízo ao admitir que não se poderia proibir psicólogos(as) de realizar atendimento relacionado à reorientação sexual [3] das pessoas não-heterossexuais. Isso porque tal postura simplesmente patologiza as orientações sexuais que se quer permitir a “reorientação sexual” (sic). Do contrário, por que razão se admitiria que um(a) psicólogo(a) poderia fornecer terapia voltada à “reorientação sexual” da pessoa homo ou bissexual?

Nem se argumente que a OMS considerar a chamada “orientação sexual egodistônica” uma doença permitiria tal compreensão esposada pelo Juízo da 14ª Vara Federal do Distrito Federal. A egodistonia é considerada uma patologia por força do sofrimento subjetivo que essa ausência de sintonia entre a orientação sexual “real” da pessoa (tal qual ela a sente, independente de vontade) e a orientação sexual “desejada” pela pessoa, ou seja, aquela que ela gostaria de ter. Ora, a pessoa tem sofrimento subjetivo não por conta de sua orientação sexual (homoafetiva ou biafetiva), mas em razão do preconceito social homofóbico/bifóbico que sofre em razão de sua orientação sexual.

“Em outras palavras: homossexuais e bissexuais não sofrem em razão de sua homossexualidade ou bissexualidade, sofrem em razão do notório preconceito social que sofrem por não serem heterossexuais, em razão do ideológico heterossexismo social predominante, que prega a heterossexualidade como única orientação sexual digna (ou “mais digna”) de ser vivida (o mesmo vale para pessoas transgênero, relativamente às pessoas cisgênero e ao cissexismo social, diga-se de passagem [4]).”

Como costumo sempre dizer, a egodistonia se cura com a egosintonia, e essa é a correta posição do CFP. Ora, considerando que a homossexualidade e a bissexualidade não são doenças, desvios psicológicos, perversões sexuais nem nada do gênero, não podem ser objeto de “cura”. Não se cura aquilo que não é doença, logo, não se pode permitir “tratamento psicológico” que vise “reorientação sexual” se “a orientação sexual por si não pode ser vista como um transtorno” (cf. OMS).

A pretensão de permitir a “reorientação sexual” (sic) via terapia psicológica é tão absurda quanto pretender admitir terapia psicológica de “reorientação” para canhotos se tornarem destros. O exemplo só é inusitado para quem é jovem e não tem conhecimento histórico: as demonizações sociais a canhotos são fatos notórios na História e pretendia-se impor que escrevessem com a mão direita, mesmo isso não lhes sendo natural/espontâneo. Palmatórias eram usadas para tal fim nas escolas. Para se concordar com tal decisão, por coerência, é preciso, igualmente, considerar igualmente “válido” que um “canhoto egodistônico”, que queira ser destro, possa vir a receber tratamento psicológico com a finalidade de se tornar destro, o que seria um absurdo…Será que Rozangela Justino, demais integrantes do polo ativo de tal ação e o juiz que proferiu tal decisão esposariam tal entendimento?

A posição do Conselho Federal de Psicologia sempre foi clara contra as infundadas acusações de que estaria querendo “proibir” psicólogos de atenderem pacientes homossexuais e bissexuais que procuram auxílio psicológico. Ele sempre explicou que não há proibição a profissional da Psicologia de atender pacientes homo e bissexuais – a proibição se refere à patologização das orientações sexuais não-heterossexuais. Ou seja, acrescento, considerando que homossexualidade e bissexualidade não são doenças, o psicólogo deve entender a razão do sofrimento da pessoa homossexual ou bissexual e ajudá-la a aceitar sua verdadeira orientação sexual, e não pretender mudá-la.

Lembre-se, ainda, que muitos estudos já foram feitos sobre tanto a ineficácia dessas pseudo “terapias”, por não atingirem o fim desejado, de “mudança de orientação sexual” (sic), quanto seus efeitos perniciosos sobre as vítimas (“pacientes”) homossexuais e bissexuais, causando-lhes traumas e depressões (cf. infra). Não há “ex-gay” (sic), há pessoa que reprime sua verdadeira orientação sexual, por pressão social (familiar, religiosa etc) – como demonstra o fenômeno do “ex-ex-gay”, ou seja, aquele que é homossexual, dizia-se “ex-gay”, mas teve uma “recaída”, depois outra, depois outra… até se conscientizar de que sua orientação sexual homoafetiva (ou biafetiva) não é passível de mudança. Mas todo esse processo só serve para aumentar os traumas e depressões sofridos pela vítima homossexual ou bissexual; sofrimento este que lhe vitimiza em razão do preconceito social homofóbico e bifóbico.

Nesse sentido, vide manifestação da Associação Americana de Psicologia(íntegra do estudo aqui):

Em um relatório baseado em dois anos de pesquisas, os 150 profissionais afiliados manifestaram firme oposição à chamada “terapia reparadora”, que busca a mudança de orientação sexual. O texto afirma que não há evidência sólida de que essa mudança seja possível. Alguns estudos, o relatório ressalta, sugerem até mesmo que esse tipo de esforço pode induzir à depressão e a tendências suicidas. “Quem atende deve ajudar seus pacientes por meio de terapias (…) que envolvam aceitação, apoio e exploração de identidade, sem imposição de uma identidade específica, diz o documento. A APA já havia criticado as terapia de mudança de orientação sexual no passado, mas uma força-tarefa de seis membros da entidade, liderada por Judith Glassgold, de New Jersey, conferiu mais peso a essa posição, analisando 83 estudos sobre orientação sexual conduzidos desde 1960. As conclusões desse comitê revisor foram endossadas oficialmente pela direção da entidade. O relatório trata com detalhes a questão de como terapeutas devem lidar com pacientes gays que lutam para permanecer fiéis a crenças religiosas que desaprovem a homossexualidade. Segundo Judith, a esperança é de que o documento ajude a desarmar o debate polarizado entre religiosos conservadores que creem na possibilidade de mudar a orientação sexual e os muitos profissionais da área de saúde mental que rejeitam essa opção. “Os dois lados precisam se educar melhor”, disse a especialista. “Os psicoterapeutas religiosos precisam abrir seus olhos para os potenciais aspectos positivos de ser gay ou lésbica. Terapeutas não religiosos precisam reconhecer que algumas pessoas podem dar preferência a sua religião, em detrimento de sua sexualidade.” [5] (grifos nossos)

Ainda sobre a ineficácia dessas pseudo “terapias”, lembre-se que em 2013 o grupo “Exodus”, que visava a “cura gay”, fechou as portas pedindo desculpas às suas vítimas pelos danos psicológicos que lhes causaram com a promessa de “reorientação sexual” (para usar expressão deste processo, ora criticado). Dano psicológico decorrente de “anos de sofrimento indevido e julgamento nas mãos da organização e da igreja como um todo”, destacou, na época, a entidade.

Anote-se, por oportuno, que em sentido diverso já decidiu a Justiça Federal carioca e o Egrégio Tribunal Regional Federal da 2ª Região. Com efeito, na ação civil pública n.º 18794-17.2011.4.02.5101, decidiu o E. TRF/2 que:

Não se trata, pelo que se pode perceber, de imposição de restrição em desconformidade com os ditames da mencionada Lei nº 5.766/71, mas apenas de um balizamento de atuação profissional, de tal forma a que seja vedada a promoção de quaisquer tipos de ações que impliquem, direta ou indiretamente, o reforço de uma pecha culturalmente sedimentada na sociedade no sentido de que a homossexualidade consiste em doença, distúrbio, transtorno ou perversão. Cabe ao psicólogo, e isso a Resolução lhe assegura, atender o indivíduo que a ele se dirige, seja ele homossexual ou não. Contudo, propalar a realização de tratamento e cura da homossexualidade contribui com a patologização da orientação sexual do indivíduo, o que não se coaduna até mesmo com o teor da nota constante na CID-10 F.66, segundo a qual “A orientação sexual por si não deve ser vista como um transtorno”Ora, se a comunidade científica internacional já concluiu que a homossexualidade não é uma doença, o que culminou, em 1990, na modificação da Tabela CID pela Organização Mundial de Saúde, com a exclusão da homossexualidade do rol de patologias ali indicadas, cabe indagar em que medida poderíamos reputar como ilegal ou inconstitucional uma Resolução que, em seu art. 3º, caput, harmonizando-se com os estudos científicos que culminaram no entendimento antes mencionado, determina que profissionais de psicologia não exerçam ações que possam favorecer a “patologização de comportamentos ou práticas homoeróticas…”, ou ainda, que adotem ações coercitivas tendentes “…a orientar homossexuais para tratamentos não solicitados”? Sob esta perspectiva, a irresignação não se sustenta. Impende registrar que o espaço terapêutico é, primordialmente, um lugar destinado à escuta e ao acolhimento do sujeito em sofrimento, que, via de regra, diante da impossibilidade de solucionar, de per si, seus dilemas existenciais, busca o auxílio de um profissional da área de psicologia para alcançar o que podemos denominar de bem estar psíquico. Diferentemente da realidade proposta pelos diversos autores de manuais de autoajuda, que, de forma costumeira, prometem, indistintamente, soluções rápidas e infalíveis para a “cura” das angústias dos consumidores desta literatura, têm os processos terapêuticos, antes de tudo, um modo singular de abordagem e trato do sujeito, permitindo que este, através da fala, e com a indispensável participação do Psicólogo como interlocutor, reorganize seus pensamentos, identifique com razoável clareza os seus problemas, reflita sobre os mesmos, perceba os fatores efetivamente causadores de suas angústias e sofrimentos e, assim, seja capaz de elaborar estratégias para uma vida melhor. Visto também sob este prisma, evidenciam-se a justeza, a adequação e a razoabilidade do ato normativo vergastado, pois, ao que se infere dos autos, preconiza o Conselho Federal de Psicologia que, por razões técnicas e éticas, cabe ao Psicólogo, com seu mister, fortalecer o entendimento de que todos são livres para viver sua sexualidade, e não propor, a priori, o que se convencionou chamar de “cura gay”, contribuindo com a manutenção de preconceitos e estigmas seculares contra pessoas em razão apenas da sua orientação sexual[6] (grifo nosso)

Nessa decisão, aliás, cita-se a posição da então Presidente do CFP, Dra. Ana Maria Pereira Lopes, que ratifica o supra exposto, sobre a egodistonia se curar com a egosintonia, razão pela qual a longa transcrição [7]:

2. Como a palavra sugere, egodistônico é o sentimento de não estar em sintonia consigo mesmo. Entretanto, os motivos para esta ‘distonia’ podem ser múltiplos e seria muito redutor atribuí-lo somente à sexualidade. O que a clínica nos informa é que, muitas vezes, o homossexual sofre de ‘distonia’ por problemas de pertença social e moral junto às outras pessoas, próximas ou distantes, mas sobretudo junto a si mesmo. Como sabemos, os valores sociais fazem parte das identificações constitutivas do Ego. Dentre estas identificações, a chamada ‘orientação heterossexual’ é altamente valorizada (FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985. 6ª ed.). Toda outra forma é vista como algo ‘sócio-distônico’. Muitas vezes, o sujeito homossexual sofre devido à introjeção desta homofobia social, pois desde muito cedo ele aprende que sua orientação sexual é ‘sócio-distônica’. E é aí que procura ajuda. Ou seja, o sofrimento psíquico do homossexual vem da internalização da desvalorização social-moral: é pelo preconceito, e não por transtorno, disfunção ou pela homossexualidade em si, que o indivíduo homossexual sofre. Assim, do ponto de vista ético, o que deve estar em foco são os mecanismos de sofrimento do sujeito, para que ele possa identificar suas origens e combatê-lo.

3. Cabe, pois, ao psicólogo escutar e ‘tratar’ sujeitos com sofrimentos das mais diversas ordens que buscam estabelecer uma relação em sintonia consigo próprio, qualquer que seja a sua orientação sexual. Ou seja, o sujeito procura ajuda para mudar, para parar de sofrer. Em certos sujeitos homossexuais, a homofobia é de tal forma introjetada, que a vida fica insuportável, o que o leva a fazer qualquer coisa para mudar. A mais comum talvez seja adaptar-se aos valores do imaginário ocidental: casar-se e ter filhos, o que pode diminuir temporariamente o sofrimento, mas não resolve a questão.

4. Não cabe aos psicólogos a criação de ‘grupos de apoio’ para os que querem ‘deixar’ a homossexualidade, sob pena de aumentar ainda mais o preconceito manifesto, sem acabar com o sofrimento psíquico. Independentemente de sua linha de trabalho, o psicoterapeuta deve saber que valorizações negativas comprometem todo o processo terapêutico. Seja como for, e em qualquer linha teórico-clínica, a orientação sexual não implica nem em ‘disfunções’, nem em ‘transtornos’, logo, não há o que curar. Evidentemente, pode-se fazer uma discussão religiosa da questão, mas isto só pode ocorrer dentro de um debate religioso. Utilizar a religião para caucionar o debate científico é tão absurdo como, por exemplo, pedir ao padre, ao pastor, ao monge, explicações científicas para a fé! O processo psicoterapêutico, por definição, é isento de bases morais.

5. O psicólogo irá tratar de qualquer pessoa que o procure com orientação egodistônica, mas neste caso não irá apreciar a homossexualidade como patológica, assim como a heterossexualidade e a bissexualidade, segundo capítulo F66 da CID 10. Pois a orientação egodistônica, que se dá em função de transtornos psicológicos e comportamentais associados à orientação sexual, é fruto de uma sociedade que em sua história de formação aprendeu a reprimir, oprimir e coagir. A psicologia entende que a sexualidade pode se apresentar de diversas formas, e deve-se considerar os fatores sócio-históricos que a condicionam.

6. O discurso da condição de cura, tal como preconizado pelo CID 10, é altamente discutível. Na maioria das vezes, observa-se coerção e imposição social que vai contra os princípios da livre expressão de várias outras formas de se viver a sexualidade humana, o que, em função da comparação, coloca os grupos que nela não se enquadram em categoria de inferioridade, quando na realidade não o são.

7. O exercício da Resolução nº CFP 001/1999, como várias cartas e declarações pelos direitos humanos, visa qualificar o trabalho profissional do psicólogo propiciando a inclusão de cidadãs e cidadãos homossexuais um atendimento psicológico sem vitimização ou preconceito. Cumpre salientar que o Código de Ética do psicólogo, no seu segundo princípio fundamental, defende a ‘eliminação de todas as formas de discriminação e violência’.

8. Por esta e outras razões expressas em documento anterior, como na própria resolução,atentamos para a proibição de reforçar ao paciente que a homossexualidade seria algo ruim ou mesmo doença, e que necessária de cura ou reversão, até mesmo porque toda a diversidade sexual humana deve ser considerada como expressão legítima dos sujeitos. A exclusão da diversidade sexual se dá por processos de higienização sócio-histórica, cultural e religiosa, na tendência de marginalizar os que estão fora dos padrões constituídos.

9. Conclusão: o psicólogo deve acolher o sujeito em sofrimento psíquico na sua demanda de ajuda, seja ela proveniente de sua orientação sexual egodistônica, ou outra qualquer. O que não significa que a mudança de orientação sexual seja o foco do trabalho. Deverá o psicólogo ter como princípio o respeito à livre orientação sexual dos indivíduos e apoiar a elaboração de formas de enfrentamento no lidar com as realidades sociais de maneira integrada. Isso porque a questão da orientação sexual, como expressão do direito humano, distancia-se radicalmente de conceitos de cura e doença. O objetivo terapêutico não será a reversão da homossexualidade porque isso não é uma demanda passível de tratamento, já que não se configura como distúrbio uo transtorno. O projeto terapêutico proposto estará direcionado para a felicidade e o bem-estar daqueles que nos procuram.

Em suma, a decisão que impôs ao Conselho Federal de Psicologia que não proíba “terapias” de “reorientação sexual” violou tanto o aspecto científico da questão (não se pode possibilitar a “cura” daquilo que não é “doença” e essa é a consequência lógica da permissão de “reorientação sexual” de homossexuais e bissexuais), bem como, ainda que sem intenção, possibilitou a ação de grupos fundamentalistas de promoverem o preconceito homofóbico e bifóbico, através do heterossexismo social, a saber, a ideologia que prega a heterossexualidade como única orientação sexual “digna” (ou a “mais digna”) de ser vivida.

Tal decisão nos remete à Idade Média, à era pré-iluminista, por ignorar por completo a Razão enquanto paradigma de razoabilidade. Decisão de efeitos discriminatórios que, à toda evidência, viola o art. 3º, I e IV, da CF/88, demanda a construção de uma sociedade livre, justa e solidária e proíbe preconceitos e discriminações de quaisquer espécies (legitimados por essa decisão, não obstante, reitere-se, não se imaginar ter sido esta a intenção do magistrado prolator – mas os efeitos discriminatórios são tão inconstitucionais quanto a discriminação intencional, como conhecimentos mínimos de Direito Antidiscriminatório demonstram). Fico na expectativa de recurso do CFP contra dita decisão e sua pronta reforma pelo Egrégio Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Paulo Iotti é Mestre e Doutor em Direito Constitucional pela Instituição Toledo de Ensino de Bauru (ITE). Especialista em Direito Constitucional pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Especialista em Direito da Diversidade Sexual e de Gênero e em Direito Homoafetivo. Membro do GADvS – Grupo de Advogados pela Diversidade Sexual e de Gênero. Advogado e Professor Universitário.


[1] Cf. <https://espaco-vital.jusbrasil.com.br/noticias/1624005/censura-publica-a-psicologa-que-oferecia-terapia-para-curar-homossexualismo> (acesso em 18.09.2017).

[2] Parte do Movimento Social diferencia bissexualidade, enquanto atração afetivo-sexual indistinta apenas aos dois gêneros tradicionais (masculino e feminino), e pansexualidade, enquanto atração afetivo-sexual indistinta por pessoas de quaisquer gêneros e identidades de gêneros. Não concordamos com essa visão limitante da bissexualidade, mas, a se acolher essa perspectiva, então, obviamente, a pansexualidade encontra-se despatologizada pela OMS e pela Resolução CFP 01/1999.

[3] Trata-se do óbvio sentido à expressão, constante da decisão, que afirma que “Apenas alguns dispositivos, quando e se mal interpretados [ic], podem levar à equivocada hermenêutica no sentido de se considerar vedado ao psicólogo realizr qualquer estudo ou atendimento relacionados à orientação ou reorientação sexual. Digo isso porque a Constituição, por meio dos já citados princípios constitucionais, garante a liberdade científica bem como a plena realização da dignidade da pessoa humana, inclusive sob o aspecto de sua sexualidade, valores esses que não podem ser desrespeitados por um ato normativo infraconstitucional, no caso, uma resolução editada pelo C.F.P” (grifo nosso).

[4] Discute a OMS atualmente a despatologização das identidades trans. Apoio tal medida. Trata-se de uma questão identitária, não uma patologia, consoante a doutrina da socióloga Berenice Bento. Ao passo que, considerando que a saúde não se limita à ausência de patologias, mas ao completo estado de bem-estar biológico, psicológico e social (cf. OMS), o bem-estar psicológico e social das pessoas trans continuará demandando seu atendimento pelo SUS, para fins de tratamento hormonal e cirúrgico visando a cirurgia de transgenitalização, ou somente tratamento hormonal, para aquelas e aqueles que não desejem a cirurgia (tema a ser desenvolvido em outro artigo).

[5] Cf. <http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL1256934-5603,00-ASSOCIACAO+AMERICANA+DE+PSICOLOGIA+REPUDIA+CONVERSAO+DE+GAY+PARA+HETERO.html> (acesso em 18.09.2017).

[6] Para explicação da decisão e remessa à sua íntegra, vide: <http://site.cfp.org.br/resolucao-199-respeita-a-lei-a-dignidade-e-a-liberdade-profissional-conclui-trf2/> (acesso em 18.09.2017).

[7] Cf. http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2016/07/Resolu%C3%A7%C3%A3o-1_99-TRF2-voto-do-relator.pdf (acesso em 18.09.2017).

A busca por ‘cura gay’ que incluiu 4 terapeutas, acampamento de conversão, tratamento com Viagra e pensamentos suicidas

Juliana Gragnani
Publicada pelo portal BBC Brasil, em 19 de setembro de 2017

Mathew Shurka chegou a ser orientado a não conversar com mulheres para não se tornar “efeminado” (Foto: arquivo pessoal)

Mathew Shurka tinha 16 anos quando decidiu contar para o pai que era gay. Apavorado, tinha certeza que “o homem que mais admirava” o aceitaria. “Eu amo você e vou ajudá-lo”, respondeu seu pai. A “ajuda” veio em forma de terapias que prometiam “curá-lo” da homossexualidade.

Em cinco anos, a partir de 2004, o americano passou por quatro terapeutas, um acampamento de “conversão”, foi obrigado a tomar Viagra para se relacionar com mulheres, ficou depressivo e pensou em se suicidar. “Meu pai não é religioso. Ele só pensava: ‘Meu filho não vai sobreviver neste mundo como um homem gay'”, conta.

Na última segunda-feira, o juiz federal da 14ª Vara do Distrito Federal Waldemar Cláudio de Carvalho concedeu uma liminar que autoriza psicólogos do Brasil a oferecerem a seus pacientes formas de terapia de reversão sexual. Esse tipo de procedimento era vedado no país pelo Conselho Federal de Psicologia desde 1999.

A decisão do juiz, que causou polêmica, foi motivada por um ação de uma psicóloga que queria oferecer serviços de “cura gay” e pode ser mudada nas instâncias superiores. Há quase 30 anos, a Organização Mundial de Saúde retirou a homossexualidade da lista internacional de doenças. Nos EUA, nove Estados e o Distrito Federal têm leis proibindo a “cura gay” – no restante do país, tais tratamentos são legais.

Criado em uma pequena cidade conservadora perto de Nova York, membro de uma família com tradição judaica, Shurka nunca havia conhecido uma pessoa abertamente gay ou casais gays. “Meu pai me dizia que eu ia sofrer muito, e eu tinha medo desse sofrimento – já havia apanhado na escola e sofria pressão para me relacionar com meninas. Quando um homem que eu amava e confiava me disse que havia uma solução para isso, eu acreditei”, afirma.

Todos os terapeutas encontrados pela família nos cinco anos de tratamento eram profissionais graduados e registrados. “Isso dava mais credibilidade ao tratamento. Para o meu pai, era a oportunidade de dar a mim a vida que ele imaginou.”

O primeiro terapeuta lhe disse que sua orientação sexual era fruto de um trauma de infância. “Mas eu tive uma infância maravilhosa. Não conseguia pensar em trauma algum. Acabei criando coisas que não haviam existido. Fiquei bravo com minha mãe por não ter me criado másculo o suficiente.”

Viagra

Como parte da terapia, o jovem foi orientado a não falar com mulheres – para não se tornar efeminado – e a conviver mais com homens, de modo a torná-lo mais “macho”. Por causa do tratamento, ficou três anos sem falar com a mãe e as irmãs. “Eu virava a cara, literalmente”, conta.

Sua mãe passou a ser contrária à terapia de “conversão”. “Ela chegava a me dizer: ‘Filho, você é gay, não tem problema. Eu te amo’. E eu tinha muito medo e achava que, como ela era a culpada por minha homossexualidade, sua aceitação só piorava as coisas.”

Sem que o primeiro tratamento fizesse muito efeito, Shurka e seu pai procuraram outro profissional, em Los Angeles, do outro lado do país. Viajaram para a cidade só para conhecê-lo – o tratamento continuou por telefone. “No começo uma vez por semana, mas depois quase todos os dias.”

“No começo, sentia que a terapia estava funcionando. Fiz muitos amigos homens e estava pronto para me relacionar com mulheres. Tinha inventado minha heterossexualidade”, conta ele. Mas, por baixo disso, ainda sentia atração por homens. Passou a se sair mal na escola, ter crises de ansiedade e ir ao hospital com frequência achando que estava sofrendo um infarto. Admitiu então para seu terapeuta que não estava conseguindo transar com mulheres. “Meu terapeuta ligou para o meu pai e, juntos, decidiram que eu deveria tomar Viagra. Eu tinha 18 anos, era um rapaz saudável, e passei a tomar Viagra quando saía com mulheres.”

Mathew Shurka aos 18 anos – na época, já estava no segundo ano da terapia (Foto: arquivo pessoal)

Intervenção

Aos 19, Shurka se apaixonou por um homem e tentou namorá-lo. Seu terapeuta interferiu outra vez: ele e seu pai abordaram o rapaz e o mandaram embora. “Ao telefone, chorava com meu terapeuta, me perguntando porque era gay e porque ele (o namorado) havia me deixado. Meu terapeuta fingia não saber por quê.”

Oito meses depois, seu ex-namorado lhe contou o que o pai e o terapeuta tinham feito. Foi a motivação necessária para romper o relacionamento com o pai e abandonar o tratamento com o profissional, de quem já era dependente – “eu amava, acreditava e confiava nele”.

Shurka voltou a falar com a mãe, que lhe convenceu a fazer uma terapia normal. “Era bem melhor, mas não importava o quão bom era, eu sentia que não estava tentando o suficiente. Eu estava convencido de que ser gay era uma escolha e que era minha culpa.” Sozinho, entrou e saiu de mais dois tratamentos na linha da “cura gay”.

“Aos 20, sem conseguir terminar a faculdade, confuso, entrei em uma depressão profunda, engordei 30 kg. Ficava dias sem sair do meu apartamento, não gostava de nada do que eu era. Me cortava, pensando em me suicidar.”

O jovem chegou a passar um fim de semana em um acampamento de “cura gay”, onde cerca de 60 homens eram obrigados a reencenar casos de abuso sexual que supostamente os teriam levado à homossexualidade.

Aos 21, Shurka se mudou para Manhattan, em Nova York, onde trabalhou como garçom em um restaurante gerenciado por uma lésbica. “Ela era uma mulher forte, que me inspirou muito.” Também passou a ver muitos homens gays bem-sucedidos que frequentavam o restaurante.

“Basicamente, estava vendo pela primeira vez como tudo aquilo era normal”, diz. Voltou a frequentar terapias, mas, dessa vez, regulares, embora fosse muito difícil confiar nos profissionais outra vez.

Aceitação

Dois anos depois, em 2012, Shurka saiu do armário, ainda muito inseguro e temeroso com a reação das pessoas. Naquele ano, frequentou um curso para desenvolvimento pessoal. Voltou convicto de que teria de fazer as pazes com o pai e com o terapeuta.

“Depois de cinco anos sem falar com ele e de tê-lo processado durante o divórcio dos meus pais, fui falar com ele. Quando eu disse de novo que era gay e que estava feliz com isso, ele repetiu o discurso de que eu ia ser infeliz, me machucar. Não acreditei”, afirma. “Mas respondi: ‘Pai, não tem com o que se preocupar. Vai ficar tudo bem. Vou viver uma vida maravilhosa’. E ele aceitou.” Hoje, conta, seu pai é um dos seus melhores amigos. Pediu desculpas por tê-lo levado a terapias de “cura gay” e até foi para a parada gay com o filho neste ano.

Shurka também se encontrou com o terapeuta que lhe prometera “curar” e que ministrou Viagra e interferiu em seu relacionamento quando tinha 19 anos. “Ele chorou e admitiu ter ‘tratado’ outros 13 meninos. Disse que não os havia ‘curado’.” O terapeuta, afirma, se arrepende e diz não acreditar mais em “cura gay”.

Falando à BBC Brasil de seu escritório em Nova York, Mathew Shurka, hoje com 28 anos, tornou-se um ativista contra a terapia de “reversão sexual” nos Estados Unidos e no mundo à frente da campanha “Born Perfect” (“nascido perfeito”, em tradução literal).

Segundo ele, a maior parte das pessoas que acaba em tratamentos do tipo são adolescentes, filhos de pais assustados que veem no terapia uma solução. E o tratamento, afirma, multiplica as chances de suicídio entre a população gay.

“Mesmo depois de sair do armário, as pessoas que passam pelo tratamento da ‘cura gay’ foram tão abusadas psicologicamente e têm tantos traumas que ainda têm dificuldade de se aceitar”, diz. Ele mesmo sofre de ansiedade e ainda está se curando dos anos nas terapias pelas quais passou. “Mas estou rodeado de pessoas que me amam e me apoiam.”

O pai de Mathew Shurka contratou terapeutas para tentar “curar” a homossexualidade do filho (Foto: arquivo pessoal)

Afinal, o que há para se “curar” num gay?

A execrável obsessão da imprensa em provar que Giane é gay

Explorar a vida sexual de famosos faz a mídia e a sociedade descerem mais degraus rumo ao fosso

Jeff Benício
Publicado pelo blog Sala de TV, em 26 agosto de 2017

https://www.terra.com.br/diversao/tv/blog-sala-de-tv/a-execravel-obsessao-da-imprensa-em-provar-que-giane-e-gay,2a2c3702ed0051fa886fd0b11d453ed1m7vbhxum.html

Reynaldo Gianecchini é mais uma vítima da patológica curiosidade em relação à sexualidade de artistas. (Foto: Zé Paulo Cardeal/TV Globo)

Autor da Teoria dos Ídolos, que coloca o homem como um plagiador de comportamentos alheios, o filósofo inglês Francis Bacon escreveu: “a fama é como um rio, que mantém à superfície as coisas leves e infladas, e arrasta para o fundo as coisas pesadas e sólidas”.

Pois foi em águas agitadas – as da badaladíssima Ibiza, na Espanha – que Reynaldo Gianecchini viveu seu momento ‘Daniella Cicarelli’: alguém fez fotos de um suposto flagra do ator na companhia de um rapaz.

Alguns sites imediatamente insinuaram um beijo na boca que não se vê e uma relação homoafetiva. As fotos (e a fofoca) correram pelas redes sociais mais rápido do que as ondas mediterrâneas.

Pela enésima vez a sexualidade de Gianecchini suscita boatos, especulações e julgamentos morais. Estamos mesmo em 2017?

Desde a estreia na TV como coprotagonista de ‘Laços de Família’, no ano 2000, o ator sofre a chamada invasão de privacidade. Há uma obsessão jornalística em provar que ele é gay. Aliás, o jornalismo ainda existe?

A questão é: parte da imprensa que cobre o mundo da televisão e dos famosos não aceita que ele seja ‘apenas’ hétero.

Outra parte vai além: acha que o galã tem obrigação de revelar hipotética bissexualidade ou homossexualidade. A Santa Inquisição acabou mesmo? Certeza?

Truman Capote e Gore Vidal, se estivessem vivos, bocejariam de tédio com a curiosidade pública em relação a quem Gianecchini leva para o mar – e para a cama.

Os dois gênios da escrita, gays assumidos, foram exímios cronistas do lado mesquinho da sociedade americana e, por reflexo, do mundo ocidental.

De acordo com ambos, adoramos bisbilhotar a intimidade alheia – uns para se excitar, outros para demonizá-la com discurso conservador – enquanto fazemos o impossível para manter em segredo nossas fantasias, fetiches e perversões.

E há os que desejam a desmoralização de celebridades como Gianecchini por inveja primitiva do que elas representam: fama, sucesso, beleza, sensualidade, riqueza, glamour, status, aprovação social, autoestima…

Tanta positividade esfregada na nossa cara merece ser castigada, pensam os haters. E dá-lhe expurgação de complexos, traumas e/ou desejos enrustidos por meio de xingamentos previsíveis e textões raivosos.

Flagrada com um namorado no mar de Cádiz, na Espanha, em 2006, Daniella Cicarelli conheceu na prática o machismo, a misoginia e a crueldade coletiva ao ser massacrada por um ato que só dizia respeito a ela.

Agora Gianecchini passa pelo mesmo constrangimento: a vida superexposta, avaliada e sentenciada ao gosto do freguês – quanto pior, melhor, é óbvio. O sadismo pulsa à flor da pele.

Nos tumblrs da vida uma frase popular resume a ópera-bufa: “Hipocrisia é falar mal de quem faz tudo aquilo que você sempre quis fazer, mas tem medo”.

Capote e Vidal estavam certos: somos humanamente deploráveis.

Rafael dos Anjos*: “quem é gay afeminado enfrenta mais obstáculos do que o esperado”

Publicado por Jorge Gauthier, na coluna Me Salte, do portal Correio, em em 11 de julho de 2017

Rafael dos Anjos (foto: arquivo pessoal)

Quem é gay sabe a dificuldade de sê-lo, mas quem é um gay afeminado (ou molinho como dizem), assim como eu, enfrenta mais obstáculos que o esperado. Além das provocações na rua, temos de lidar com o preconceito dentro da comunidade LGBT+ e para muitos, dentro também do ambiente de trabalho.

Apesar do senso comum acreditar que a homofobia (leia-se aqui não apenas agressão física ou verbal), vem diminuído na sociedade, na prática não é bem assim. Primeiro que as profissões de “viado” ainda são as mesmas no imaginário popular: cabeleireiro, maquiador, esteticista ou qualquer outra atividade que, aos olhos dessa sociedade heteronormativa, pareça feminino demais pro homem macho, mas que nas mãos de um homem “feminino” seria melhor executada. Um mix de homofobia, machismo e sexismo.

Em minha timeline do Facebook, observo a transformação das manas molinhas, um fenômeno impulsionado pela pressão da comunidade gay – ser discreto / fora do meio – e outras vezes a partir de sua ascensão profissional. A gay formou em direito, odonto, engenharia civil e correlatas, tem de se masculinizar!

Diversas áreas não toleram a afetação nossa de cada dia, com exceção de algumas poucas. Jornalismo? Talvez… A ordem do dia é segurar o rebolado, engessar a munheca e engrossar a voz. Começam então a surgir daí os comportamentos autodepreciativos.

Distanciar-se dos amigos, redefinir a relação com o parceiro ou simplesmente negligenciar a vida amorosa e social dentro da comunidade.Reforçando a socialização em redes heteronormativas em busca de uma nova imagem. Sempre com o armário de bolso pronto para ser usado.

A solidão do gay afeminado

Negar sua ‘macheza’ lhe privaria da superioridade de ser homem. Isso coloca a nós, afeminados, no limbo entre ser o homem viril, a mulher frágil, recatada e do lar ou até a vadia. Juntando as provocações: “mulherzinha”, “bichinha”, “bicha louca”, “baixo-astral” e “pão com ovo”. As expressões que fortalecem os moldes do macho-alfa, sobram pras gays durinhas: “homão da porra” e “sapão”, por exemplo.

Vale lembrar que chamar a mulher lésbica de “sapa” pode ser ofensa – aliás, muito gay apedrejou Daniela Mercury por usar o termo durante o Carnaval deste ano. Contudo, um “sapão” está para o gay “fora do meio” assim como o “top” está para os héteros descolados na rede social. Aí tá valendo. Contanto que esteja tudo em seus devidos armários (no plural), porque mesmo assumidos limitam a expressão de suas sexualidades ao grupo heteronormativo que esteja inserido.

Tudo nessas condições, onde os afeminados estão num lugar inferior, soa antiquado e preconceituoso. Há quem declare que apenas não “curte” afeminados, mas não percebe que essa questão de “gosto” reproduz o discurso machista e homofóbico do chamado “opressor”.

Sobre o que eu chamo de “a solidão do homem gay afeminado”, muitos são expostos a relacionamentos com homens bissexuais, que cultivam uma relação sem o chamado amor romântico, motivada exclusivamente pelo sexo. Partindo da ideia de relação gay, entre homens: como lidar com gays machões que não se atraem por afeminados e vice-versa? Afinal, óbvio que existem os afeminados que simpatizam com a ideia de apartheid entre gay macho e o gay feminino. Mas não custa nada fazer uma análise a respeito da repercussão desse comportamento para uma comunidade já tão marginalizada e violentada.

E a família…

Como um mero jornalista opinando sobre o assunto, preciso trazer a questão familiar à tona, obviamente sob o meu ponto de vista e experiência. Ultrapassada a barreira de verbalizar para a família a própria sexualidade, vem o momento de não os “envergonhar” na vizinhança, com o comportamento exagerado, com a promiscuidade e tudo mais que habita o imaginário de pais, irmãos e demais familiares a respeito da homossexualidade.

Ao mesmo tempo que surgem todos os medos, em muitos casos, há uma superproteção, um tratamento especial a partir de sua aparente fragilidade de afeminado. “De boas você ser gay, mas não precisa exagerar”. Por outro lado, tem quem opte por expurgar esse parente, cortando pela raiz qualquer responsabilidade sobre sua “viadagem”, como solução.  Dar pinta virou um daqueles problemas sociais, tipo mendicância, que ninguém quer lidar ou falar a respeito. Uma lástima.
Conselho do tio Rafa? Reavalie o seu comportamento, seu papel social entre essa escala de ser o oprimido e ser o opressor. Afinal, suas ações podem estar refletindo uma educação falocêntrica, gerando mais preconceito, desamor e homofobia do que você pensa.

* Rafael dos Anjos é jornalista e escreveu esse texto especialmente para o Me Salte