Atendimento psicológico gratuito à População LGBT

arcoiris

Gilmaro Nogueira
Publicado pelo site Cultura e Sexualidade, em 29 de fevereiro de 2016

Historicamente, os sujeitos não-heterossexuais, em especial a população trans, em sua diversidade, têm sido patologizada pelos saberes médicos. Ainda hoje, encontramos pessoas e instituições que insistem em curar gays, lésbicas, travestis e transexuais. A psicologia, por décadas, serviu a esses objetivos anti-éticos e desumanos ao não respeitar as identidades e os gêneros das pessoas e, principalmente, ao não questionar a patologização das identidades trans.

A partir dessa crítica, desde o semestre passado estamos realizando atendimento psicológico à população LGBT, com o objetivo de dar suporte ao enfrentamento das violências cotidianas que questionam essas vivências e que vulnerabilizam sujeitos.

Nesse período temos acompanhado diversos casos de violência física. No entanto, não esperávamos tantos casos de violência intrafamiliar, principalmente com mães e pais expulsando filhos e filhas de casa. Muitas dessas pessoas também têm sofrido violência moral, ao serem convencidas que não são normais, o que as levam a falar em suicídio.

Ajudar os sujeitos a lidar com essas questões são insuficientes, pois o sujeito compreender e lidar bem com sua sexualidade não evita que os outros continuem os violentando. Sabemos dos limites de nossas ações e da necessidade de discussões mais amplas, com toda sociedade.

Em relação às pessoas trans é importante ressaltar que não concordamos com a exigência de que todas tenham que fazer acompanhamento psicológico para ter acesso a serviços de saúde e mudanças de nome/sexo. Sabemos que não somos nós, psicólogos/as, que atestamos se uma pessoa é trans ou não. Consideramos importante a autonomia das pessoas trans na afirmação de suas identidades, visto que elas não são doentes, nem desviantes mas, como esse processo exige laudos psicológicos, é importante dar esse suporte, principalmente a quem não pode pagar um psicólogo particular.

Clique aqui para solicitar atendimento psicológico gratuito

Clique aqui para acessar Psicologia Queer no Facebook, também para assistência psicológica gratuita

O atendimento também pode ser solicitado através do Grupo Mães da Diversidade ou da Defensoria Pública do Estado da Bahia.

•••

CLIQUE AQUI E CONHEÇA A PÁGINA DO CLIPPING LGBT NO FACEBOOK.

Share

You may also like...

12 Responses

  1. Giuliana disse:

    Tendo nome social já, esse atendimento gratuito se extende para violências sofridas no cotidiano?

    • Clipping LGBT disse:

      A notícia foi publicada em 2019 e os links não estão mais disponíveis, o que leva a crer que o serviço foi suspenso.

  2. Clipping LGBT disse:

    Certamente.

  3. Noah Hastings disse:

    Oi sou novo e não tenho ideia de onde começar…me batizaram de Tayane mas prefiro ser chamado e Noah…nasci menino no corpo de menina e quero muito começa a tomar hormônios etc…eu tenho 29 anos e ja estou cansado de viver assim…ja tentei suicidio devido a isso nunca procurei ajuda como agora não tenho dinheiro para contratar um psicologo…dizem que o sus da mas não faço ideia tbm de como proseguir para começar minha transformação corporal…alguém pode me ajudar

  4. Sabrina disse:

    Bom Dia!!
    Como posso conseguir um atendimento psicológico com vocês.
    Sou lesbica e estou com dificuldade de me aceitar

  5. Tapuia disse:

    Ja acabou as “inscrições”? não consigo preencher o formulário

    • Clipping LGBT disse:

      Essa postagem é de 2016. Provavelmente, houve alterações na atividade, visto que era de caráter acadêmico. Vou verificar informações a respeito.

  6. jules disse:

    Olá, nao sei como cheguei aqui, como posso conseguir atendimento psicologico gratuito? sou uma garota trans de 17 anos e to com dificuldades de me aceitar ainda, eu nao guento mais viver assim sendo socializada como menino… e minha familia provavelmente nao vai me aceitar, ja tentei me matar mts vezes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *