Americana conta como foi se casar com uma mulher transgênero

Ela era noiva de um rapaz que, antes mesmo do casamento, declarou ser uma mulher transgênero

Clarissa Jurumenha
Publicado pelo portal Metrópoles, em 9 de abril de 2016

http://static.metropoles.com/wp-content/uploads/2016/04/07213532/iStock_000069556911_Medium.jpg

(Imagem: iStock)

Os fãs de cultura pop assistiram em 2015 a transição de Bruce Jenner para Caitlyn Marie Jenner. Já divorciada de sua ex-mulher Kris, a matriarca da família Kardashian, Caitlyn conta em seu reality show “I Am Cait” como sofreu durante todos os seus 66 anos de idade escondendo-se dentro de um corpo que não identificava. O processo de transição da atleta olímpica foi a público de maneira muito rápida.

A veiculação internacional dessa história improvável ajudou outros transexuais e suas famílias a contarem os percalços e as felicidades rumo à transição. O site de cultura pop Hello Giggles, por exemplo, compartilhou o relato de uma de suas leitoras, sem nome identificado. As palavras escritas mostram de perto o quanto o amor pode superar barreiras.

Veja só: quatro meses antes do casamento acontecer, foi revelado à autora que ela se casaria, na verdade, com uma mulher. Sua esposa é transgênero. “Eu tive um daqueles momentos de filmes em que o personagem te joga um rio de informações, tudo fica em completo silêncio, só se escuta aquele ‘buz’ agudo na cabeça e algumas vozes bem confusas semelhantes a um áudio distante em sua cabeça”, afirmou.

Foram dias de luto, conversas e muitas lágrimas. Mas quando ela finalmente se reergueu da tristeza em que se encontrava indagou: “Continuo com a pessoa que amo e a aceito por completo ou simplesmente fujo? Para mim a resposta era até meio fácil porque me recusava a viver uma vida sem ela. Eu sou bissexual, então eventualmente isto funcionaria.”

Em meio à tempestade e aos acontecimentos negativos, a autora listou alguns pontos em que percebeu que a mudança de vida vem com prós e contras — que muitas vezes doem, mas não a levam a mudar de ideia.

1. Tivemos de confrontar (e abandonar) privilégios heterossexuais

“Ah, os privilégios heterossexuais. É totalmente algo notório – e nós só percebemos quando perdemos. Antes podíamos caminhar pelo shopping, sair para comer, tentar alugar algum apartamento, fazer empréstimos e sair de mãos dadas em público sem pensar duas vezes, e o fazíamos sem nenhum medo da discriminação ou do ódio. Casais héteros (tipicamente) não são ofendidos apenas por existirem. Mas após a transição, a sociedade passou a nos enxergar como um casal lésbico. E, aparentemente, algumas pessoas realmente odeiam lésbicas. Eu nunca vou esquecer uma das primeiras vezes que pisamos o pé fora de casa depois de começar a viver juntas oficialmente. Estávamos andando de mãos dadas no shopping e um senhor nos deu uma olhada tão feia que nos fuzilou. Nos surpreendeu. Foi ali que percebemos que nosso lugar na sociedade havia mudado, que algumas pessoas agora iriam nos desprezar. De agora em diante só o fato de existir era inseguro se comparado à antes.”

2. Eu agora consigo entender melhor o mundo em que vivo

“Ela ter ser assumido trans me forçou a mergulhar em pesquisas. Me forçou a abrir meus olhos para diferentes realidades, ambas sofridas e felizes no mundo em que vivemos. Me permitiu abandoar muito do velho-eu, velhos modos de pensar que já tive. Iluminou mais minha cabeça e me deixou mais sã. Eu sou uma pessoa diferente, uma versão melhorada de mim mesma, com uma melhor relação com o mundo em que vivo e amando cada parte disto.”

3. Eu fui forçada a abandonar uma vida que sonhei para mim

“Me sinto segura em dizer que quando seu parceiro decide ser trans, sua vida inteira entra em um loop. De repente, os caminhos e momentos que você se imagina comprando uma casa, tendo um filho e até mesmo envelhecendo juntos, muda. Isso foi algo que me fez sofrer no começo. Foi difícil imaginar meu futuro porque eu não tinha a melhor ideia do que imaginar. De uma hora para outra eu iria envelhecer com uma mulher e não um homem. Demorou cerca de dois meses antes dela mudar por completo que eu percebi que esse pensamento era superficial e eu deveria cooperar com o que eu realmente queria. Eu sabia que estava desbravando um território outrora desconhecido e estava com medo.”

4. Perdemos o apoio de alguns familiares

“Isso é verdade e é uma merda. Aconteceu. E foi isso. Apesar disso posso afirmar com certeza que a família que não perdemos nos apoia muito mais, é muito mais amável e o mais próximo que a minha família já esteve. Eles compensam com toda certeza a parte que perdi.”

5. Ganhamos amigos que valem mais do que jóias raras e ouro

“Isso caminha junto com a história da família que mencionei acima. Meus verdadeiros amigos entraram na linha de frente desta batalha e nos concederam o melhor apoio que poderíamos esperar de alguém. Eles foram exatamente o que eu precisava naquele momento da minha vida. Meu relacionamento com eles transcendeu a amizade para algo diferente. Como se chama mesmo? Família? É, família.”

6. Eu descobri uma força interna que não sabia existir

“Por um tempo a ansiedade de minha esposa me fez ficar trancafiada dentro de casa. Eu tive que assumir responsabilidades que até então não me pertenciam. De repente me vi fazendo telefonemas, lidando com contas, lidando com a minha própria assustadora ansiedade — eu estava exausta. Adotei novas regras para a minha vida, meus problemas e minhas interações com outras pessoas. Antes eu evitaria colocar meu eu adulto para lidar com meus problemas, mas eu realmente não poderia fazer nada do tipo agora. Eu não sei se vocês sabem disso, mas é muito renovador estar no domínio da sua vida. Nas palavras da minha amada Tina Fey: ‘Garotas façam acontecer’.”

7. Eu agora tenho um relacionamento muito melhor com minha parceira

“Nós estamos mais próximas do que nunca. Antes de sair do armário, passamos por muitos outros problemas em nossa longa relação. Ficamos sem-teto por um tempo, desempregadas e também tivemos outras alternativas torturantes, como estar em um trabalho que nos deixava miseráveis. Nós éramos duas velhas lidando com nossos problemas. E apesar de termos ainda muitas falhas, sempre fomos muito boas em resolver os problemas juntas ao invés de descontarmos nossos estresses na outra. Crescemos ainda mais próximas e unidas nos últimos anos. Nossas raízes foram ainda mais profundas e aprendemos a ceder suporte uma à outra apesar de qualquer coisa. O velho relacionamento não se aplica somente aos individuais — o que não mata seu relacionamento definitivamente o faz mais forte, se você permitir.”

8. Eu também criei um relacionamento muito melhor comigo mesma

“Minha mulher se descobrir causou em mim um olhar próprio que mudou tudo. Eu aprendi a me conhecer em um nível bem mais profundo. Descobri coisas sobre mim que sou apaixonada, tipo o minimalismo intrínseco feminino. Sei o que quero para minha vida e consegui começar a trabalhar duro nisso. Sei como cuidar de mim mentalmente e espiritualmente, o que me trouxe muito mais paz. Não me sinto tão pesada e não preciso de alguém o tempo inteiro me mostrando que direção seguir ou o que fazer, porque agora eu sei para onde ir por minha conta. Me encontrei. E até agora, eu estou apaixonada pelo que encontrei.”

•••

CLIQUE AQUI E CONHEÇA A PÁGINA DO CLIPPING LGBT NO FACEBOOK.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *